Acervo Estadão
Acervo Estadão

Próximo a aeroporto, Campo Belo se vale de localização privilegiada

Bairro conserva marcas da colonização alemã e divide espaço entre ruas arborizadas, comércio diversificado e condomínios de luxo

O Estado de S. Paulo

08 Dezembro 2014 | 12h08

Até o início do século 20, o Campo Belo era uma planície que ficava entre o centro da capital e o então município de Santo Amaro. Como o próprio nome diz, é um dos bairros mais nobres de São Paulo e deve seu desenvolvimento ao loteamento de propriedades rurais da antiga Vila de Santo Amaro, prioritariamente ocupada por famílias da colônia alemã. Outro fator que atraiu novos moradores à região foi a linha férrea que ligava o centro à cidade de Santo Amaro. 

Uma das principais fazendas da região era da família Vieira de Morais, que hoje dá nome a uma rua de comércio no bairro. A colonização alemã também conserva suas marcas nas ruas do Campo Belo, onde podemos encontrar um tradicional restaurante, um clube, uma livraria e uma escola de música que realiza festas típicas. 

As vias arborizadas e as belas mansões dividem espaço com grandes prédios e condomínios de alto luxo, que tiveram rápida expansão nos anos 90. Muitos loteamentos surgiram à época da construção do Aeroporto de Congonhas, em 1936, em uma região de terrenos que pertencia à Companhia Auto-Estrada, também responsável pela Avenida Washington Luís, antes uma rodovia particular. Por volta de 1953, uma estação telefônica que recebeu o nome de Estação Campo Belo se instalou no local e ajudou a nomear o bairro.

O Campo Belo, conhecido por ruas calmas e arborizadas, pode se gabar da sua localização. Cercado por bairros como Brooklin, Itaim Bibi, Moema e Jabaquara, tem fácil acesso às grandes vias da região sul, como as Avenidas Jornalista Roberto Marinho, a Washington Luís, que leva ao Aeroporto de Congonhas, e a Bandeirantes, que leva às estradas do litoral de São Paulo.

Outra vantagem do bairro é a proximidade com o Terminal Santo Amaro, a estação Santo Amaro do metrô e os trens da CPTM. Próximo ao bairro, há uma diversidade de shoppings, como o Ibirapuera, com cinemas e áreas de lazer. Entre os pontos negativos estão o aumento da violência e o trânsito que dificulta a mobilidade da região. 

Uma questão pendente no bairro é o Parque do Chuvisco, uma área equivalente a quatro campos de futebol, ainda sem data para ser aberto devido ao atraso nas obras. O local abrigava um clube de funcionários da extinta Varig e terá pista de patinação, parede de escalada, brinquedoteca, além de praças, quiosques e ciclovia. A entrada principal será feita pela Rua Ipiranga, via paralela à Avenida Jornalista Roberto Marinho, já no limite com o Jabaquara. 

Mais conteúdo sobre:
bairrossp Campo Belo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.