PUBLICIDADE

Metroviários de SP ameaçam liberar catracas na 4a. feira

PUBLICIDADE

Por GHEISA LESSA

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo ameaçaram nesta segunda-feira que poderão trabalhar com as catracas liberadas na próxima quarta-feira, dia 23, em protesto contra a negativa da Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô em permitir uma paralisação da categoria. Na data, os metroviários planejavam uma greve para protestar contra a rejeição, pelo governo do Estado, da proposta de reajuste salarial. Mas o Metrô exigiu que 100% da frota trabalhasse a fim de não prejudicar a população paulista que utiliza o transporte público e pode recorrer à Justiça. De acordo com nota do Metrô, caso haja tentativa de liberação das catracas, a companhia tomará todas as medidas, com apoio de força policial, para garantir a segurança das pessoas e do patrimônio. Mas destacou que se trata de uma prática ilegal, em razão dos danos que pode causar aos usuários do transporte e ao patrimônio público.Os metroviários reivindicam reajuste salarial de 5,13% e aumento real de 14,99%. O governo estadual, no entanto, apresentou contraproposta de aumento de 4,15%, aumento real de 0,5% e participação nos resultados a partir de fevereiro de 2013. O sindicato dos Metroviários considerou esses números são inaceitáveis e afirmou que a greve só pode ser evitada com uma segunda proposta, o que não teria ocorrido até a manhã desta segunda-feira, de acordo com o diretor executivo Alexandre Carvalho Leme.O Metrô esclarece, em nota, que mantém canal de diálogo aberto com as entidades sindicais representativas da categoria e espera chegar a um acordo. Segundo a empresa, uma medida cautelar foi solicitada no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para garantir a prestação de serviços e evitar prejuízos para os usuários e para a cidade de São Paulo. A Companhia diz ainda que aguarda decisão da Justiça.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.