PUBLICIDADE

Publicidade

GM acumulou prejuízo de US$ 8,6 bilhões em 2005

O ano passado foi um dos mais difíceis na história da General Motors, devido ao "pobre rendimento na América do Norte".

Por Agencia Estado
Atualização:

A General Motors (GM) teve prejuízo de US$ 8,6 bilhões em 2005, após somar US$ 4,8 billhões no quarto trimestre de 2005, informou hoje o maior fabricante de automóveis do mundo. As perdas contrastam com o lucro de US$ 2,8 bilhões registrado pela empresa em 2004. Rick Wagoner, presidente do Conselho de Administração da GM, afirmou, durante a apresentação dos resultados, que o ano passado foi um dos mais difíceis na história da General Motors, devido ao "pobre rendimento na América do Norte". Wagoner atribuiu as enormes perdas a seus custos trabalhistas nos Estados Unidos e à dificuldade para realizar mudanças em suas fábricas na América do Norte. "Foi um ano em que duas debilidades de caráter fundamental em nossas operações na América do Norte foram totalmente expostas: nossa enorme carga herdada e nossa incapacidade para ajustar os custos estruturais com as baixas receitas", acrescentou Wagoner. "Nossos resultados também foram afetados de forma drástica e negativa pelos custos de reestruturação e assuntos associados" à quebra da Delphi, a maior fabricante mundial de componentes de automóveis e antiga filial da GM. Dos US$ 4,8 bilhões de perdas no quarto trimestre de 2005, a GM assinalou que US$ 3,6 bilhões correspondem a artigos especiais "fundamentalmente atribuíveis a um custo após impostos de reestruturação de US$ 1,3 bilhão da GM na América do Norte", mais US$ 2,3 bilhões associados à Delphi. Números As vendas automobilísticas da GM registraram perdas de US$ 5,3 bilhões em 2005, principalmente devido aos números negativos na América do Norte, que ofuscaram as melhoras na Europa, na América Latina, na África e no Oriente Médio. A GM teve receita de US$ 192,6 bilhões em 2005, inferior, portanto, aos US$ 193,5 bilhões faturados em 2004. Em 2005, a GM vendeu 9,2 milhões de veículos no mundo todo, graças a vendas recordes nas regiões de Ásia-Pacífico (20%) e América Latina, África e Oriente Médio (19%). No entanto, na América do Norte as vendas caíram 1,3%, o que reduziu a fatia de mercado mundial da GM de 14,4% em 2004 para 14,2%.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.