Função de simulação de aposentadoria no aplicativo do Meu INSS está indisponível desde 16 de janeiro

Aplicativo está sendo atualizado com as regras previstas pela Reforma da Previdência; segundo o Dataprev, responsável pelo aplicativo, a simulação deve voltar a funcionar na próxima semana

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

A função de simulação de aposentadoria do aplicativo Meu INSS está indisponível devido a atualizações com as novas regras previstas na Reforma da Previdência (Emenda Constitucional 103), informou a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev), responsável pelo Meu INSS, ao Estadão. O aplicativo permite solicitação e acompanhamento de benefícios, cálculo de tempo para aposentadoria, além de consultas e emissão de extratos, entre outros serviços.

O sistema está indisponível desde 16 de janeiro, segundo o INSS. “Infelizmente ainda não há previsão [para retorno da função] e os cidadãos que queiram simular podem procurar um especialista, embora o INSS faça esse serviço gratuitamente”, disse o INSS ao Estadão.

A função de simulação de aposentadoria do aplicativo Meu INSS está indisponível devido à atualizações com as novas regras previstas na Reforma da Previdência Foto: André Dusek/Estadão

PUBLICIDADE

A Dataprev informou, ao Estadão, que a simulação que está sendo atualizada “é a informativa, em que o cidadão visualiza dados como tempo de contribuição e idade necessários, por exemplo. A previsão é que a funcionalidade seja restabelecida na próxima semana”. A empresa destacou que a simulação durante o processo de pedido de aposentadoria continua disponível aos cidadãos.

Além do aplicativo e do site, o INSS dispõe de Central de Atendimento pelo telefone 135, que funciona de segunda a sábado, de 7h às 22h.

Reforma da Previdência

A reforma da Previdência foi aprovada no Senado em 2019. A Emenda Constitucional mudou os parâmetros para a aposentadoria no País. Entre outros pontos, a reforma aumentou a idade mínima e do tempo de contribuição necessário para a aposentadoria.

A idade mínima passou para 65 anos (homens) e 62 anos (mulheres) e o tempo mínimo de contribuição é de 15 anos (mulheres), 20 anos (homens) e 25 anos para servidores de ambos os sexos. Professores, policiais e profissionais expostos a agentes nocivos têm regras menos exigentes. Com a aprovação da reforma, a aposentadoria apenas por tempo de contribuição acaba. Para quem já estava no mercado de trabalho na época da aprovação, valem as regras de transição.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.