Conteúdo Estadão Blue Studio

Educação empreendedora estimula novos negócios e muda a vida de famílias de baixa renda

Crescimento acelerado do empreendedorismo evidencia a importância desse tipo de formação para transformação social do País

PUBLICIDADE

Por Estadão Blue Studio
Atualização:
3 min de leitura

O cenário atual destaca um aumento notável no número de empreendedores individuais, com uma média de 7,2 mil novas empresas sendo criadas diariamente no último ano. Esse avanço, marcado por um crescimento de 5,8% no número de microempreendedores individuais (MEIs), que agora representam 73,6% do total de novas empresas, destaca a vitalidade e a importância desse segmento para a economia do País.

Nesse contexto de expansão e oportunidades, a educação empreendedora surge como o melhor caminho para um futuro mais inclusivo e sustentável. A trajetória de Matheus Cardoso serve como um exemplo.

Como bolsista na faculdade de Engenharia, ele se inspirou na sua experiência pessoal com habitações insalubres para fundar um negócio focado em oferecer reformas acessíveis. Seu objetivo era claro: melhorar significativamente a qualidade de vida e a saúde de seus clientes, demonstrando assim o potencial do empreendedorismo como força de transformação social.

Continua após a publicidade

Assim nasceu a Moradigna, uma iniciativa que não apenas aborda um problema social crítico, mas também evidencia o potencial do empreendedorismo como instrumento de inclusão social e combate à pobreza.

Mateus Morales, fundador da Nastro Produtora Audiovisual Foto: Divulgação

“Eu era estagiário, negro, da periferia, o que eu mais queria era arrumar um emprego numa empresa que me permitisse proporcionar melhores condições de vida para minha família”, relata Cardoso sobre o momento em que viu no empreendedorismo uma alternativa viável.

Continua após a publicidade

Como ex-aluno do Senac, Cardoso enfatiza a importância da educação contínua. Desde cursos livres até graduações, ele buscou aprimorar suas habilidades e conhecimentos, especialmente em áreas complementares à sua carreira, como gerenciamento de obras e design de interiores.

Beneficiando-se das políticas de gratuidade do Senac, dada sua condição de jovem de baixa renda e bolsista universitário, Cardoso destaca como essas oportunidades foram importantes para sua formação empreendedora e desenvolvimento pessoal.

A história de Mateus Morales, fundador da Nastro Produtora, também destaca a importância de um ensino que mescla teoria e prática, preparando os estudantes não só para entrar no mercado, mas também para inovar nele. Aos 24 anos, Mateus e sua irmã Joyce Morales transformaram um pequeno estúdio caseiro, inicialmente voltado para produzir músicas para amigos artistas locais em Guarulhos, São Paulo, em uma produtora focada na criação e produção de vídeos, expandindo o negócio para atender desde videoclipes até marketing para empresas.

Continua após a publicidade

Mateus destaca o papel de sua formação em Publicidade no Senac São Miguel na evolução da empresa. Começando o curso aos 18 anos, ele e Joyce absorveram lições práticas, especialmente sobre ferramentas de mercado, que se mostraram essenciais para o desenvolvimento do negócio. O aprendizado foi além das salas de aula, com orientações práticas que melhoraram a gestão e produção da empresa.

“Fui absorvendo um pouco de cada coisa que poderia ser aplicada ao meu negócio. Assim, ganhei mais uma carta na manga, aprimorando minhas competências e a maneira como vendemos o produto”, ele compartilha.

A experiência no Senac permitiu a Morales explorar outras áreas, como produção de podcasts e atuação como mestre de cerimônias, ampliando suas habilidades operacionais e de gestão. A abordagem de estar sempre disposto a aprender, independentemente do nível de experiência, ressalta a relevância de aplicar o conhecimento teórico aos desafios práticos do negócio.

Continua após a publicidade

Para o empreendedor Matheus Cardoso, a necessidade de uma conexão mais forte entre instituições educacionais e o setor empreendedor se torna uma parceria-chave para possibilitar que mais pessoas, especialmente de contextos desfavorecidos, transformem suas ideias em negócios bem-sucedidos.

“A educação empreendedora me ajudou a desmistificar o empreendedorismo e mostrar que ele está muito mais próximo do nosso dia a dia do que a gente imagina, além de ser uma megaferramenta de melhoria de vida”, conta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.