Start Eldorado
Ao vivo
Start Eldorado
Daniel Gonzales Mostra Como A Tecnologia Impacta Nos Processos De Negócio

PUBLICIDADE

Jornal Eldorado

As principais notícias do dia com Haisem Abaki e Carolina Ercolin


SEG, TER, QUA, QUI, SEX | 06:00 ÀS 09:30
Dengue: vacinação só deve impactar na redução de casos no ano que vem, diz secretário da Saúde de SP

O Ministério da Saúde anunciou ontem a expansão da distribuição da vacina contra a dengue para 154 novos municípios brasileiros. As cidades contempladas estão localizadas em 11 regiões: Central (ES), Betim (MG), Uberaba (MG), Uberlândia/Araguari (MG), Recife (PE), Apucarana (PR), Grande Florianópolis (SC), Aquífero Guarani (SP), Região Metropolitana de Campinas (SP), São José do Rio Preto (SP) e São Paulo (SP). Até então, 521 localidades haviam sido selecionadas para receber as doses e iniciar a imunização na rede pública, entre crianças e adolescentes de 10 a 14 anos. Em entrevista nos estúdios da Rádio Eldorado nesta quinta-feira, o secretário estadual da Saúde, Eleuses Paiva, disse que o governo paulista ainda não havia recebido oficialmente a informação de que a vacinação será ampliada, mas considerou positiva a iniciativa. Ele ressaltou, no entanto, que o impacto na redução dos casos de dengue no Estado só deve ser sentido no ano que vem, já que a vacina disponível, do laboratório japonês Takeda, é aplicada em duas doses com intervalo de três meses entre a primeira e a segunda, o que já deve coincidir com o período de desaceleração da doença neste ano. Paiva também espera que a imunização aumente com a conclusão dos estudos clínicos de uma vacina em dose única do Instituto Butantan. Segundo o secretário, a expectativa é de que o novo imunizante seja aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda em 2024.

00:00:00

Todas as edições

Estudo aponta que cheia em Porto Alegre deve durar até o início de junho; ouça especialista

A cheia na Região Metropolitana de Porto Alegre deve durar até o início de junho, segundo um relatório do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em parceria com a empresa de engenharia ambiental Rhama Analysis. O Lago Guaíba permanece acima do nível dos 4 metros, após superar os 5,3 metros, e recua de forma lenta. A cota de inundação é de 3 metros. Há previsão de chuvas a partir de hoje, o que pode complicar o cenário ainda mais. Na histórica cheia de 1941, as águas levaram 20 dias para retornar ao patamar normal. Em entrevista à Rádio Eldorado, o diretor de Hidrologia da Rhama Analysis, Carlos Eduardo Tucci, disse que o fim da inundação pode ocorrer até 05 de junho, mas alertou que a previsão pode ser impactada pelos ventos.

21/05/2024, | 09h15
00:00:00

“Ansiedade climática” é mais uma das consequências da tragédia no RS; ouça especialista

Diante de eventos climáticos extremos recentes, como as ondas de calor e as enchentes no Rio Grande do Sul, um termo tem sido usado com maior frequência para caracterizar as angústias relacionadas ao meio ambiente: a ecoansiedade. Também chamado de “ansiedade climática”, esse termo já foi incorporado pelo dicionário de Oxford e é definido pela Associação Americana de Psicologia como “medo crônico da catástrofe ambiental”. Em entrevista à Rádio Eldorado, a psicóloga e psicoterapeuta Camila Tuchlinski, especialista em Psicologia Psicossomática, disse que o problema já é observado nos consultórios e que um simples barulho de chuva pode despertar um “gatilho emocional”. Segundo ela, o tratamento envolve psicoterapia e, nos casos mais graves, é necessário o uso de medicamentos. “A Psicologia ajuda a entender o histórico de vida do paciente para tentar lidar com essas situações”, afirmou. Camila também alertou que as fake news que circulam sobre a tragédia no Rio Grande do Sul geram desconfiança na população e contribuem para o aumento dos casos de “ansiedade climática”.

15/05/2024, | 10h27
00:00:00

Tragédia no RS: “Tivemos que montar uma força-tarefa só pra combater fake news”, diz vice-governador

O último balanço da tragédia climática do Rio Grande do Sul aponta que o número de mortos subiu para 107 e que há 136 pessoas desaparecidas, além de 67 mil em abrigos. O total de municípios atingidos chega a 425. Os dados foram atualizados pelo vice-governador Gabriel Souza, nesta quinta-feira, durante entrevista à Rádio Eldorado, durante a coluna de Eliane Cantanhêde. Ele disse que o Estado já vem contando com a ajuda do governo federal, mas defendeu que os valores mensais pagos pela dívida do Rio Grande do Sul com a União sejam aplicados na reconstrução da infraestrutura gaúcha. Em meio aos resgates dramáticos de vítimas das enchentes, Souza também criticou os disseminadores de fake news e anunciou que o Estado vai tomar providências legais contra eles. “Tivemos que montar uma força-tarefa só pra combater fake news”, afirmou. O vice-governador também lamentou a necessidade de deslocar policiais de operações de resgate para o combate de crimes, como vandalismo, saques, assaltos e casos de violência sexual em abrigos.

09/05/2024, | 09h52
00:00:00

Marcio Astrini: “A única hora em que o Congresso ajuda o meio ambiente é quando está em recesso”

A tragédia climática do Rio Grande do Sul mostra a falta de preparo não só do Brasil, mas de vários países para lidar as mudanças climáticas. A constatação é de Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima. Em entrevista à Rádio Eldorado, ele ressaltou que a Ciência e especialistas já fazem alertas há muito tempo e não são ouvidos. “Se os políticos não querem ler os relatórios, basta abrir a janela de casa pra ver o que está acontecendo”, afirmou. Ele também criticou a falta de preocupação com o meio ambiente no orçamento público e especialmente as ações do Congresso para flexibilizar regras de proteção ambiental. “A única hora em que o Congresso ajuda o meio ambiente é quando está em recesso”, destacou.

09/05/2024, | 09h18
00:00:00

Tragédia climática no RS: “Nós precisamos do Brasil”, diz prefeito de Santa Maria

A cidade de Santa Maria, na região central do Rio Grande do Sul, onde cinco pessoas morreram na tragédia climática que atinge o Estado, ainda não consegue calcular quanto precisa de ajuda do governo federal para a reconstrução de casas e estradas. Em entrevista à Rádio Eldorado, o prefeito Jorge Pozzobom disse que a situação de perigo ainda não permitiu sequer a contagem das casas destruídas durante os temporais. Ele defendeu a simplificação do envio de recursos federais para socorrer os municípios atingidos pelo desastre. “Nós precisamos do Brasil”, afirmou.

08/05/2024, | 10h12
00:00:00

PUBLICIDADE