Derrota de aliados em primárias republicanas preocupa Trump para 2024

Foto: Maddie McGarvey/The New York Times

Ex-presidente busca informações sobre potenciais rivais em 2024 para tentar reverter quadro

Por Josh Dawsey, Michael Scherer e Ashley Parker

THE WASHINGTON POST - Donald Trump tem sido a força dominante na política do Partido Republicano. Mas após enfrentar uma série de reveses nas últimas semanas – pontuados na noite desta terça-feira, 25, pela derrota de seu candidato a governador favorito na Geórgia – o ex-presidente tem se preocupado em particular sobre quem pode desafiá-lo.

Trump tem questionado conselheiros e visitantes de seu resort Mar-a-Lago, no sul da Flórida, sobre seus rivais em ascensão, incluindo seu ex-vice-presidente, Mike Pence, e o governador da Flórida, Ron DeSantis, tentando prever o cenário da indicação presidencial republicana de 2024.

Entre suas perguntas, segundo vários assessores, que falaram sob condição de anonimato: Quem realmente vai concorrer contra ele? O que as pesquisas mostram? Com quem seus inimigos em potencial estão se encontrando?

Continua após a publicidade

Continua após a publicidade

Ele também reacendeu conversas sobre o anúncio de um comitê exploratório presidencial para tentar dissuadir os adversários, dizem eles, mesmo que alguns funcionários e conselheiros do partido continuem a instá-lo a esperar até depois das eleições de meio de mandato para anunciar que está concorrendo.

As deliberações de Trump seguem derrotas proeminentes este mês para candidatos escolhidos em Idaho, Nebraska, Carolina do Norte e agora na Geórgia, onde o ex-senador David Perdue foi derrotado na terça-feira pelo arqui-inimigo de Trump, o governador Brian Kemp, que recusou suas súplicas para derrubar as eleições que ele perdeu em 2020.

As derrotas foram motivadas por centros de poder republicanos rivais em meio a uma crescente sensação de que Trump pode não ter a influência dominante que já teve sobre o partido.

Em toda a Geórgia, os eleitores republicanos disseram que simplesmente rejeitaram as críticas contundentes de Trump a Kemp e elegeram esmagadoramente o governador em exercício, entregando um repúdio notável ao ex-presidente ao dar a Kemp uma vitória de cerca de 50 pontos percentuais.

Cisões na direita americana

“Eu votei nele duas vezes. Eu faria isso de novo? Não!” disse Vijah Bahl, um desenvolvedor de 65 anos que participou da festa da noite eleitoral de Kemp na terça-feira no College Football Hall of Fame. “A divisão de Trump prejudicou Perdue aqui e seu apoio saiu pela culatra. Não era realmente seu conteúdo, mas sua entrega. E Trump pode ser uma pessoa muito vingativa.”

Enquanto um cantor country se apresentava solitário no palco, Jim Braden, um desenvolvedor de 62 anos, parou perto de um campo de futebol de salão improvisado e disse que foi uma escolha fácil eleger Kemp para governador. “Não somos como o resto do país que vai seguir a mentira”, disse, referindo-se às falsas alegações de Trump sobre as eleições de 2020.

Em seu discurso de vitória, Kemp não mencionou Trump e mal falou sobre Perdue. “Mesmo no meio de uma primária difícil, os conservadores em nosso Estado não ouviram o barulho. Eles não se distraíram”, disse. “Os republicanos da Geórgia foram às urnas e endossaram esmagadoramente mais quatro anos de nossa visão para este grande Estado.”

David Perdue, apoiado por Trump ao governo da Geórgia, foi derrotado por Brian Kemp
David Perdue, apoiado por Trump ao governo da Geórgia, foi derrotado por Brian Kemp Foto: Nicole Craine / NYT

O fato de Trump ter gasto mais de US$ 2,5 milhões em nome de Perdue, ter realizado um comício na Geórgia e ter atacado implacavelmente Kemp, mas ainda assim ter sido derrotado, foi o mais recente sinal de que sua influência sobre o Partido Republicano, embora considerável, diminuiu um pouco nos últimos meses. Em outra derrota para Trump, Brad Raffensperger, o secretário de Estado da Geórgia que resistiu aos apelos do ex-presidente para “encontrar” votos em 2020, estava muito à frente de seu oponente, o deputado Jody Hice, apoiado por Trump.

A Associação de Governadores Republicanos direcionou US$ 5 milhões para derrotar Perdue depois de apoiar os vencedores contra as escolhas de Trump em Nebraska e Idaho. O campo emergente de rivais de 2024 tem se tornado cada vez mais ousado em sua disposição de fazer campanha contra seus interesses. E no Senado dos EUA, quase todos os republicanos, exceto 11, se juntaram aos democratas em um recente projeto de lei de ajuda militar à Ucrânia, apesar das críticas de Trump à medida como uma prioridade equivocada, dada a escassez doméstica de fórmulas infantis.

“Donald Trump é realmente o líder do partido no momento, mas há muitas pessoas, particularmente aquelas em cargos eleitos, que também reivindicam a agenda ‘America First’”, disse a ex-conselheira de Trump na Casa Branca, Kellyanne Conway.

O ex-presidente também se viu lutando em Ohio, Alabama e Pensilvânia contra o Club for Growth, um grupo conservador endinheirado que uma vez o aconselhou. Seu candidato ao Senado na Pensilvânia, Mehmet Oz, está travado em uma corrida acirrada para uma recontagem após as primárias de 17 de maio e ignorou os repetidos apelos de Trump para declarar vitória antes que todas as cédulas sejam contadas. E a escolha de Trump para governador na Pensilvânia, Doug Mastriano, viu sua vitória nas primárias prejudicada na semana passada por uma declaração do RGA sugerindo que o grupo não o via como um candidato competitivo.

As mudanças se somam ao maior desafio à auto-imagem de Trump – “o rei dos endossos”, ele se gabou recentemente – desde que seu papel nos tumultos de 6 de janeiro de 2021 levou seu partido ao caos temporário. Poucos no partido ainda se opõem publicamente ou o criticam enquanto buscam um cargo eletivo, mas um grupo crescente vem trabalhando horas extras para mostrar que ele pode ser ignorado e não é infalível.

Trump rebateu publicamente essas preocupações, prometendo a aliados concorrer à presidência novamente. “Olhei para as pesquisas e estou 60 ou 70 pontos à frente”, disse o ex-presidente em entrevista recente ao The Post em Mar-a-Lago, quando questionado sobre seus adversários republicanos para a indicação de 2024, sem citar uma enquete específica. Ele repetidamente se gabava de ter “criado” vários deles, ou argumentava que eles lhe deviam lealdade.

Quando perguntado sobre outros republicanos, como o senador Ted Cruz, do Texas, que repetidamente fizeram campanha contra seus apoiados, Trump disse que estava observando atentamente.“Esta é a prerrogativa deles”, disse ele. “As pessoas podem fazer isso, mas isso não significa que eu tenha que gostar.”

Um agente republicano que se reuniu recentemente com Trump disse que agora está claro que o ex-presidente terá que suar para ganhar a indicação do Partido Republicano em 2024. “Não vai ser um campo limpo. Tem muita gente querendo ir contra ele”, disse o agente. “Se ele concorrer, Pompeo, Pence e Chris Christie vão considerar concorrer. Quem sabe o que DeSantis vai fazer? Esses caras estão trabalhando, estão atacando todos os doadores que podem encontrar.”

A decisão de Pence de fazer campanha por Kemp, a quem Trump chamou de “um desastre” por não anular os resultados das eleições de 2020, é particularmente notável – um sinal precoce de separação clara entre os aliados de longa data. Pompeo, outro potencial candidato a 2024, também se tornou cada vez mais vocal, criticando Oz depois que Trump o endossou e pedindo a “contagem de cédulas válidas de ausentes” na Pensilvânia depois que Trump sugeriu que Oz declarasse vitória sobre o rival David McCormick antes que as cédulas primárias fossem contadas.

No terreno, em Estados-chave, a intervenção de Trump causou atrito com alguns de seus apoiadores locais. “Você tem republicanos dispostos a ir lá e fazer campanha por Kemp, você tem 30 ou 40 ou 50 presidentes de partidos estaduais nesses lugares criticando Trump, você tem caras como [o ex-presidente do Partido Republicano] Rob Gleason, que entregou a Pensilvânia para nós em 2016, saindo contra ele”, disse um conselheiro de longa data de Trump, que notou a revolta que se seguiu aos endossos de Trump a Oz para o Senado e Mastiano para governador.

No Senado, o líder da minoria Mitch McConnell, que Trump destacou como inimigo nos últimos meses, celebrou publicamente em uma entrevista ao Politico a recente votação esmagadora para enviar mais apoio à Ucrânia como um repúdio a “algumas conversas soltas durante os anos Trump”. O ex-presidente havia divulgado um comunicado uma semana antes descrevendo o esforço de US$ 40 bilhões como um movimento dos “democratas” que era impróprio, dada a escassez de fórmula infantil. “América em primeiro lugar!” escreveu Trump.

Trump, no entanto, continua sendo um forte candidato se optar por concorrer novamente, com uma enorme operação de captação de recursos e apoio contínuo dentro do partido. Uma pesquisa do Washington Post-ABC News divulgada no início deste mês descobriu que seis em cada dez eleitores republicanos achavam que os líderes do partido deveriam seguir a liderança de Trump, em comparação com 34% que queriam levar o partido em uma direção diferente.

“Acho que ele vai correr. Vou ficar chocado se ele não correr. Todas as pesquisas mostram que ele seria o favorito”, disse o senador Lindsey O. Graham. “Quando você olha para estados como a Pensilvânia, todos se envolvem na política de Trump”, continuou ele. “Todos os candidatos estão abraçando o presidente”, disse Ed McMullen, um antigo aliado de Trump e ex-embaixador.

Tony Fabrizio, assessor de pesquisas de Trump de longa data, disse que fez levantamentos em cinco Estados diferentes para medir a popularidade do republicano em uma campanha primária. Mais de 50% em cada um dos Estados disseram que votariam nele “independentemente” de sua participação na corrida, disse. Falar, acredita, é mais fácil que derrotar de fato Trump.

“Só porque as pessoas falam e o enfrentam não significa que podem vencê-lo. Vencer um dos candidatos de Trump não é a mesma coisa que vencer Trump. Eu não vi nenhum dado que indique que essas pessoas poderiam derrotá-lo em qualquer lugar”, afirmou.

Enquanto isso, Trump se concentra em direcionar a atenção do público para sua própria contagem de vitórias nas primárias, que ele registrou em 82 a 3, antes da noite de terça-feira, uma estatística que inclui dezenas de corridas com pouca concorrência. Também deixa de fora disputas como a do Senado do Alabama, onde ele retirou seu endosso a Brooks.

Levando em conta apenas as competições proeminentes de maio, seu recorde é de 6 a 4, com uma corrida ainda pendente. Os apoiados de Trump foram derrotados nas primárias governamentais de Nebraska, Idaho e Geórgia, e em uma primária da Câmara na Carolina do Norte, onde o deputado Madison Cawthorn não conseguiu a indicação. Seus endossos para outros dois assentos na Câmara, na Carolina do Norte e na Virgínia Ocidental venceram, assim como suas escolhas no Senado em Ohio, Carolina do Norte e Geórgia, bem como sua escolha de Mastriano para governador da Pensilvânia. Sua escolha para o Senado da Pensilvânia, Oz, lidera ligeiramente nessa corrida, com mais cédulas a serem computadas e uma recontagem pendente.


Tudo Sobre

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade