PUBLICIDADE

Karadzic diz que precisa de mais tempo para prepara defesa

Ex-líder sérvio da Bósnia compareceu pela primeira vez ao seu julgamento em Haia.

PUBLICIDADE

Por BBC Brasil

O ex-líder sérvio da Bósnia Radovan Karadzic, conhecido como o "carniceiro dos Balcãs", compareceu nesta terça-feira pela primeira vez a seu julgamento em um tribunal em Haia, na Holanda, e pediu mais tempo para preparar sua própria defesa. Karadzic, que não está sendo representando por nenhum advogado no Tribunal Criminal Internacional para a Antiga Iugoslávia, boicotou o início do julgamento na semana passada. Ele alega necessitar um prazo maior para examinar as mais de 1,3 mil páginas de documentos do processo e indicou que não irá comparecer às sessões a menos que tenha seu pedido atendido. O juiz deve decidir agora se nomeia um advogado para representar Karadzic, concede um prazo maior ou prossegue com o julgamento com o réu ausente. Limpeza étnica O réu enfrenta 11 acusações de genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e outras atrocidades durante a guerra da Bósnia, entre 1992 e 1995, no qual mais de cem mil pessoas morreram Karadzic não se declarou oficialmente inocente perante o tribunal, mas já negou publicamente todas as acusações. A promotoria o acusa de ser o comandante da campanha de limpeza étnica durante o conflito. Na abertura do julgamento, no dia 26 de outubro, o promotor Alan Tieger afirmou que Karadzic organizou o massacre de Srebrenica, no qual cerca de sete mil homens e jovens bósnios foram mortos. "O assassinato destes homens e a expulsão das mulheres e idosos não vieram do nada, mas da determinação do acusado em realizar uma limpeza étnica no leste bósnio para criar o Estado sérvio que ele imaginava", afirmou o promotor. Karadzic foi levado ao tribunal de Haia no ano passado após viver foragido por 13 anos. Ele pode ser condenado à prisão perpétua se considerado culpado. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.