Ambientalistas pedem mais segurança para gorilas do Congo

Quatro gorilas adultos foram encontrados mortos a tiros no Parque Nacional Virunga em 22 de julho

Associated Press,

17 de agosto de 2007 | 18h30

Especialistas em conservação ambiental pediram, nesta sexta-feira, 17, por ajuda para melhorar a segurança em um parque de vida selvagem da República Democrática do Congo, onde quatro gorilas das montanhas foram massacrados em julho.   A Sociedade Zoológica de Londres afirma ter elaborado um plano de emergência, juntamente com outros grupos de conservação, para proteger os gorilas ameaçados, mas que só tem verbas para defender os animais por três meses.   "Estamos ficando muito preocupados", disse uma administradora da sociedade, Noelle Kumpel. "Há apenas cerca de 700 gorilas montanheses no mundo, e cerca de metade deles encontram-se no Congo".   Quatro gorilas adultos foram encontrados mortos a tiros no Parque Nacional Virunga em 22 de julho. Ambientalistas dizem que incidentes semelhantes ocorreram no início do ano, temem que a tendência de mantenha, disse Kumpel.   O plano de emergência de três meses dará segurança 24 horas a seis famílias de gorilas, acompanhamento para gorilas que perderam os pais no ataque mais recente e um censo dos animais do parque.

Tudo o que sabemos sobre:
gorilascongopreservaçãomassacre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.