Anvisa suspende venda do medicamento Neo Zinc

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu a fabricação, a comercialização e o uso de todos os lotes do medicamento Neo Zinc, da empresa Inpharma Laboratórios Ltda., com sede em Barueri (SP). A suspensão foi publicada no Diário Oficial de segunda-feira (9/1), segundo informações do site da Anvisa. A proibição é nacional e os lotes estocados nos hospitais não poderão ser usados.O Neo Zinc é um composto à base de zinco. A ampola do medicamento é utilizada em bolsas para aplicação de alimentos diretamente nos vasos sanguíneos.A suspensão do medicamento foi determinada depois que a Rede Nacional para investigação de Surtos e Eventos Adversos em Serviços de Saúde (Reniss) identificou a ocorrência de infecções associadas ao uso de bolsas que continham Neo Zinc, a partir de notificações de hospitais dos estados de São Paulo e Paraná. As investigações constataram um desvio de qualidade no lote K55008 do medicamento. As apurações foram realizadas, simultaneamente, pela Anvisa, pelas farmácias hospitalares que manipularam algumas das bolsas, pelos profissionais dos hospitais e das Comissões de Controle de Infecção Hospitalar das instituições envolvidas e pelas Vigilâncias Sanitárias Estaduais.O fabricante já iniciou o recolhimento do lote K55008 do Neo Zinc e alegou que houve contaminação microbiológica nele.Durante as investigações, outras irregularidades foram encontradas, incluindo problemas no contrato de terceirização da fabricação do produto Neo-Zinc, entre a empresa Inpharma Laboratórios Ltda. e a Eurofarma Laboratórios Ltda., o que motivou, como medida preventiva, a suspensão de todos os lotes do medicamento.

Agencia Estado,

12 de janeiro de 2006 | 17h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.