Ataque de homem-bomba mata 4 em palácio presidencial na Somália

Um homem-bomba matou nesta quarta-feira pelo menos quatro pessoas dentro do complexo do palácio presidencial em Mogadíscio, na Somália, de acordo com a polícia, a União Africana e insurgentes da Al Shabaab.

ABDI SHEIKH E FEISAL OMAR, REUTERS

14 Março 2012 | 10h36

A Al Shabaab se retirou da capital em agosto e as forças da União Africana têm realizado a segurança nos bairros deixados pelos rebeldes islâmicos, mas a cidade costeira continua suscetível a ataques regulares de homens-bombas e explosões em estradas.

Há diferentes relatos sobre o número de mortos na explosão.

A Al Shabaab assumiu a responsabilidade pelo ataque, afirmando que um de seus homens-bomba matou 17 pessoas e feriu outras 30.

"Que vitória dentro do chamado palácio presidencial, mais explosões e bombas virão em seguida", disse à Reuters o porta-voz das operações militares do grupo de rebeldes islâmicos, xeique Abdiasis Abu Musab.

O porta-voz das forças de manutenção de paz da União Africana na Somália (Amisom), Paddy Ankuda, disse que quatro pessoas, incluindo civis, foram mortos e que não houve incidentes com soldados da Amisom.

O coronel Abdullahi Barise, porta-voz da polícia, afirmou que cinco morreram e 10 ficaram feridos pela explosão do homem-bomba.

O conselheiro de segurança nacional do primeiro-ministro, Abdirashid Mohamed Ali, e Ankuda, disseram que a explosão foi próxima do portão do complexo presidencial, perto de um prédio usado pelo presidente do Parlamento.

O grupo islâmico linha-dura, que se uniu formalmente à Al Qaeda em fevereiro, tem utilizado cada vez mais ataques com bomba na capital, destacando a contínua insegurança no país que não tem um governo central desde 1991.

(Reportagem adicional de Richard Lough, em Nairóbi)

Mais conteúdo sobre:
SOMALIABOMBAMORTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.