Ataque turco no Iraque 'teve apoio dos EUA'

Militares tinham como alvo postos do grupo separatista curdo PKK.

David O'Byrne, BBC

16 de dezembro de 2007 | 21h20

O bombardeio da Turquia contra alvos do movimento separatista curdo PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão) no Iraque neste domingo foi aprovado antecipadamente pelos Estados Unidos, disse o comandante das Forças Armadas turcas, general Yasar Buyukanit, em entrevista a uma emissora de TV do país.Segundo Buyukanit, as autoridades americanas não apenas forneceram inteligência mas também abriram o espaço aéreo do norte do Iraque para a operação militar.O apoio americano ao ataque turco ocorreu depois que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou no mês passado que Washington forneceria ao governo da Turquia inteligência obtida por satélite em tempo real sobre os movimentos do PKK no norte do Iraque, permitindo que as forças turcas conduzissem ataques a posições pré-determinadas.Os Estados Unidos têm se empenhado em impedir que a Turquia cumpra ameaças de um ataque amplo por terra no norte do Iraque temendo a desestabilização da única área do país onde a situação parece sob controle.Em outubro, o Parlamento da Turquia autorizou as forças do país a realizarem operações limitadas no norte do Iraque.A Turquia se queixa há quase um ano que forças do PKK puderam usar bases no norte do Iraque para lançar ataques em território turco que provocaram a morte de até 50 soldados turcos.Mais recentemente, em novembro, as forças do PKK conseguiram seqüestrar 12 soldados turcos e levá-los pela fronteira para bases dentro do Iraque.Esta foi a segunda vez que as forças turcas lançaram um ataque do lado iraquiano da fronteira a posições do PKK, mas acredita-se que a ofensiva deste domingo tenha sido a primeira com a ajuda dos Estados Unidos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
iraque turquia ataque bombardeio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.