ATUALIZA 1- Annan se diz otimista depois de encontros na Síria

O ex-secretário geral da ONU Kofi Annan disse neste domingo estar otimista depois da segunda rodada de negociações de paz com o presidente sírio Bashar al-Assad, mas reconheceu que será difícil atingir um acordo que ponha fim ao derramamento de sangue.

REUTERS

11 Março 2012 | 10h42

"Será difícil, mas nós temos que ter esperanças", afirmou Annan a repórteres em Damasco. "Eu sou otimista por diversas razões", disse ele, citando um desejo geral por paz na Síria.

Um porta-voz da ONU havia afirmado, pouco antes, que os dois retomaram as negociações no palácio presidencial. Ele não deu detalhes, mas afirmou que Annan deveria seguir para o Qatar ao fim da reunião.

Enviado conjunto da ONU e da Liga Árabe, Annan aparentemente conseguiu pouco progresso no sábado, em um encontro "franco e abrangente" com Assad, enquanto o presidente culpa "terroristas" que buscam desestabilizar a Síria pelo derramamento de sangue no país.

A agência de notícias estatal síria SANA afirmou que Assad disse a Annan que iria ajudar em "qualquer tentativa honesta de encontrar uma solução" para o conflito de um ano que tem custado milhares de vidas.

Mas não há sinais de que Assad teria aceitado as propostas de Annan para um cessar-fogo, para o acesso da ajuda humanitária, a libertação dos detidos e um diálogo político.

Os sírios que participam de uma revolta popular contra Assad afirmam que não pode haver diálogo significativo com um líder que tem infligido tamanha violência e sofrimento em seu próprio povo.

Annan se encontrou também com líderes religiosos sírios, incluindo o mufti, a autoridade muçulmana sunita, e o patriarca ortodoxo cristão grego, no domingo, antes de se reunir com Assad novamente.

A missão de Annan coincidiu com uma ofensiva militar síria contra redutos da oposição no noroeste.

Três soldados e um civil foram mortos em combates na vila de Janoudiya na província de Idlib na manhã de domingo, segundo o Observatório Sírio para Direitos Humanos.

O diretor residente na Grã-Bretanha Rami Abdulrahman disse que a região de Idlib estava mais calma após ataque com tanques no sábado, o que sugere que rebeldes tiveram que se retirar ou decidiram não enfrentar o exército, que lançou ofensiva ano no noroeste depois de dominar redutos insurgentes na cidade de Homs, na semana passada.

O Observatório afirmou que 39 civis, incluindo 25 na província de Idlib, foram mortos no sábado, junto com 39 rebeldes e 20 soldados do governo, somando 98 mortos.

(Reportagem Dominic Evans e Marwan Makdesi)

Mais conteúdo sobre:
SIRIAANANASSAD*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.