Blair fala em projeto internacional de energia limpa

A Grã-Bretanha deseja lançar um grande projeto internacional de energia limpa ao lado de outros países europeus, do Japão e dos EUA, afirmou na terça-feira o primeiro-ministro do país, Tony Blair. O projeto seria parte dos esforços para combater as mudanças climáticas. Segundo Blair, a idéia seria concentrar em medidas para capturar e armazenar gás carbônico - a substância química que, na atmosfera, contribui para o aquecimento da Terra, seria armazenada no subsolo, ou debaixo do leito do mar. Mas o premier deu indícios de que a meta do projeto não havia sido ainda estipulada. "Temos algumas idéias sobre um grande projeto, algo a respeito de tentar selar um acordo internacional. Um grande projeto que lidaria com um tipo particular de energia de uma forma diferente. Pode ser que se trate da captura e armazenamento do gás carbônico", disse. "Acredito haver uma possibilidade real de que nós e outros europeus, junto com os americanos e os japoneses, acabemos envolvidos em um grande projeto que nos permitirá fazer o investimento necessário em pesquisa e tecnologia para implementá-lo", afirmou o premier, diante de uma comissão parlamentar. A Grã-Bretanha discute, com mais países, essa e outras idéias para enfrentar as mudanças climáticas, disse. "A coisa que promete ter os maiores impactos será se conseguirmos investir em ciência e tecnologia de forma a permitir que desenvolvamos, por exemplo, células de combustível para os veículos automotores e métodos de captura e armazenamento de carbono", afirmou. Ambientalistas já criticaram Blair por apostar alto demais em novas tecnologias como uma forma de enfrentar as mudanças climáticas. A União Européia (UE) e a Noruega disseram que cooperariam no desenvolvimento de tecnologias para a captura e armazenamento de gás carbônico, consideradas fundamentais para que o bloco atinja suas metas de corte na emissão de gases do efeito estufa. Blair repetiu sua opinião de que um acordo internacional para enfrentar o aquecimento do planeta seria "a medida individual mais promissora nessa questão." O premier disse ainda que realizará novas negociações sobre as mudanças climáticas com os EUA e com outros países nas próximas semanas. Blair deseja que um acordo com força de lei suceda o protocolo de Kyoto, que caduca em 2012. O protocolo de Kyoto impõe metas de corte na emissão de gases do efeito estufa, mas não para países como Índia e China, consideradas nações em desenvolvimento, e os EUA, que não ratificaram o tratado.

Agencia Estado,

06 de fevereiro de 2007 | 17h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.