Brasileiros causam crise política em cidade espanhola

Moradores reclamam de prefeita por chamar imigrantes para morar em El Bodón.

Anelise Infante, BBC

22 de outubro de 2007 | 16h45

Três famílias brasileiras são o motivo de uma crise política na cidade de El Bodón, na província de Salamanca, na Espanha.Os imigrantes chegaram ao município a convite da Prefeitura, mas os habitantes locais não querem estrangeiros e decidiram votar um pedido de impeachment da prefeita e de expulsão dos brasileiros.A prefeita María Jesús Ramos justificou o convite aos imigrantes com a alegação de que pretendia aumentar a população da cidade, com apenas pouco mais de 300 habitantes.O grupo de brasileiros, composto por três casais e duas crianças, chegou a El Bodón na semana passada e tem documentação legal na Espanha. Todos os adultos trabalham na construção civil.Ao aceitar a proposta da prefeita, os brasileiros foram alojados em um centro municipal e teriam de pagar um aluguel de 300 euros (aproximadamente R$ 775). As crianças seriam inscritas na escola local ainda nesta semana.Dezenas de pessoas foram à Prefeitura reclamar que não querem desconhecidos na cidade. Elas alegam que o centro onde os imigrantes foram alojados é público e está ao lado do único ambulatório médico da cidade, o que, segundo os moradores, prejudica sua privacidade."Não somos racistas. O que aconteceu é que esta senhora (a prefeita) fez o que quis, sem contar com a opinião dos demais. Essa foi a gota d'água", disse a deputada conservadora María Luz Martín, do Partido Popular.Uma das brasileiras, Rita de Souza, afirmou que se surpreendeu com a reação porque imaginava que tinha o apoio dos moradores."Não sei nem explicar o que está acontecendo, porque a maioria recebeu a gente muito bem", contou. "Vieram trazer roupa, comida, perguntaram se as crianças precisavam de alguma coisa.""Quero pensar que essa atitude é de um grupo, porque não me lembro de ter tido problemas com os espanhóis", acrescentou. "Vamos ver agora o que vai acontecer."O grupo de brasileiros também está sendo ameaçado pelo rumor de que um deles estaria envolvido em uma quadrilha de ladrões que assalta em municípios da região.A polêmica dos imigrantes teve ainda outro incidente. No dia em que os brasileiros foram alojados no centro municipal, houve um incêndio no teto da casa.A polícia que fazia o patrulhamento noturno foi quem notou a fumaça e acordou as famílias que estavam dormindo.Segundo a Prefeitura, o pequeno incêndio começou porque os brasileiros acenderam a lareira da casa, que não estava em boas condições. Mas, na cidade, há suspeitas de sabotagem."Imagine se o incêndio é mais grave e há mortos? Quem se responsabiliza? Porque os imigrantes estavam ali sem contrato nem nada, de forma ilegal em um espaço público", argumenta a deputada María Luz Martín.Rita de Souza afirma que não sabe o que aconteceu e diz só lembrar do susto de ter sido acordada pela polícia avisando da fumaça. A brasileira acrescentou ainda que preferia não opinar sobre a possibilidade de um incêndio criminoso.Tanta polêmica chamou a atenção do governo da província, que pediu explicações à Prefeitura, principalmente pela situação das crianças, que não podem ficar sem escola.Os protestos acabaram forçando os partidos políticos de El Bodón a decidir o futuro dos brasileiros na Câmara Municipal.Na próxima sexta-feira, haverá sessão extraordinária para votar o impeachment da prefeita, que governa em aliança com o Partido Popular.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.