Câmera 'indiscreta' faz Araraquara criar corregedoria

A denúncia de que câmeras de segurança eram usadas por guardas municipais para observar mulheres nas ruas fez a Prefeitura de Araraquara anunciar neste início de ano uma série de medidas para evitar novos problemas. Uma delas é a criação de uma Corregedoria dentro da Guarda Civil Municipal e outra é a mudança da sede da Secretaria de Segurança Pública, que agora ficará no mesmo local onde está a central de monitoramento eletrônico.

RENE MOREIRA, ESPECIAL PARA AE, Agência Estado

03 de janeiro de 2014 | 15h33

O motivo foi o escândalo registrado no mês passado e que derrubou o secretário de Segurança Eli Schiavi. Na ocasião, guardas foram flagrados usando as câmeras para observar mulheres de shorts curtos ou decotes. Eles deixavam de focar imagens do movimento de pessoas e passavam a fazer ''closes'' em partes íntimas das mulheres que circulavam pelas ruas.

O Ministério Público abriu procedimento para apurar o ocorrido e deu prazo para a investigação da prefeitura. Os envolvidos no caso ainda não foram descobertos, mas 12 guardas acabaram afastados do setor de monitoramento.

Mais conteúdo sobre:
CâmerasAraraquara

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.