Campinas-SP usa munição com tinta em depredações

A Guarda Municipal de Campinas (SP) tem usado lançadores de munição com tinta, similares às armas de paintball, para ajudar a identificar os responsáveis por depredações e saques durante as manifestações que acontecem na cidade. Os atos terminaram em confronto e furtos na região central. A arma é de origem belga (lançadores FN 303) e de venda controlada para uso em contenção de distúrbios. Movida a ar comprimido, parece uma metralhadora com pente giratório e dispara balas de borracha ocas carregadas com tinta, gás de pimenta ou vazias (para impacto).

RICARDO BRANDT, Agência Estado

26 de junho de 2013 | 18h32

A GM de Campinas tem três dessas armas não letais e tem usado desde o dia 19, quando 30 mil manifestantes foram às ruas para protestar contra o aumento da tarifa de ônibus. O preço da passagem na cidade foi reduzido de 3,30 reais para 3 reais na segunda-feira, 24. O secretário de Segurança Pública da prefeitura, Luiz Augusto Baggio, diz que as armas têm auxiliado a marcar os agressores para identificá-los. Nesta quarta-feira, a Polícia Militar (PM) anunciou que porá 500 homens nas ruas durante as manifestações.

Tudo o que sabemos sobre:
ProtestosCampinasGuarda Municipal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.