China se prepara para um dos maiores tufões dos últimos anos

Em Xangai, 200 mil pessoas que vivem em casas precárias começaram a ser retiradas do litoral

Efe e Reuters,

18 de setembro de 2007 | 01h47

O leste da China está em alerta à espera do Wipha, que na manhã desta terça-feira, 18, se transformou em um supertufão e que pode causar "os piores danos dos últimos anos", segundo o observatório meteorológico de Xangai.   Veja também: Xangai evacua 200 mil por causa de chegada de tufão Tufão Wipha paralisa o norte de Taiwan Tufão Wipha cancela jogo do Brasil no Mundial feminino   Só em Xangai, que nesta terça entrou em alerta laranja (segundo grau da escala de quatro), começaram a ser retiradas do litoral 200 mil pessoas que vivem em casas precárias. As autoridades temem o que pode ser "provavelmente o maior tufão em Xangai das últimas décadas", segundo o jornal Shanghai Daily.   Se o Wipha entrar em Xangai, como se prevê, sua força deverá ser superior à do Saomai, de 2005, o mais forte na metrópole chinesa de 20 milhões de habitantes desde 1997. O Saomai matou 436 pessoas no sudeste chinês em agosto e foi classificado como a tempestade mais forte a atingir o país em 50 anos.   O tufão Wipha, cujo centro está apenas 150 quilômetros a leste da cidade taiwanesa de Yilan, provocou fortes chuvas e ventos em toda Taiwan, paralisando as atividades econômicas e afetando as comunicações.   Xangai e as províncias de Zhejiang e Fujian se preparam para receber na noite desta terça o golpe do tufão. As três regiões litorâneas enviaram avisos e chamaram de volta ao porto todos os seus navios. Pelo menos 30 mil já atracaram em Zhejiang.   No início da madrugada desta terça, o tufão estava a 440 km sudeste de um porto de Zhejiang. Com rajadas de ventos de até 198 km/h, ele se move na direção noroeste a 20 km/h, segundo a agência de notícias Xinhua. Em Xangai chove sem parar desde a tarde de segunda-feira.   O escritório meteorológico de Xangai alertou que o tufão afetará provavelmente o transporte público e privado na cidade, assim como o tráfego aéreo e marítimo.   Segundo um diretor da Administração de Salvamento Marítimo de Zhejiang, o maior problema é que o Wipha provavelmente chegará ao litoral de sua província diretamente, sem passar por Taiwan, como os demais tufões deste ano na região.   As autoridades de controle de inundações de Zhejiang temem a sua chegada esta noite ao litoral centro-norte da província, entre Cangnan e Xiangshan. Ele pode afetar cidades importantes como Wenzhou, Taizhou e Jinhua, e causar grandes prejuízos, avisou o vice-governador Mao Linsheng.   Mao ordenou que as autoridades de Zhejiang se preparem para enfrentar fortes ventos e chuva, deslizamentos de terras e inundações nas cidades.   Matéria ampliada às 08h50

Tudo o que sabemos sobre:
ChinatufãoWipha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.