Colômbia afirma ter encontrado urânio das Farc

Segundo Ministério da Defesa, total de material exaurido localizado perto da capital pode passar de 30 quilos

Hernando Salazar, BBC

27 de março de 2008 | 06h10

O Ministério da Defesa da Colômbia disse que foi encontrado em Pasquilla, um povoado rural perto da capital, Bogotá, um carregamento de urânio empobrecido que pertencia ao grupo rebelde Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).   O povoado, a sudeste de Bogotá, fica em uma área próxima a uma região tida como reduto das Farc. Segundo as autoridades, pode se tratar de mais de 30 quilos de urânio que, "de acordo com as informações contidas nos computadores de Raúl Reyes, haviam sido adquiridos pelas Farc".   O Ministério da Defesa revelou que, no dia 20 de março, recebeu da inteligência militar uma amostra do mineral, que foi analisado por especialistas do Instituto Colombiano de Geologia e Mineração (Ingeominas). Reyes foi morto em 1º de março em um bombardeio colombiano a um acampamento do grupo guerrilheiro em território equatoriano, em um ataque em que morreram pelo menos 16 rebeldes, de acordo com as forças militares da Colômbia. No dia 3 de março, o diretor da polícia colombiana, general Oscar Naranjo, revelou que um dos laptop encontrados no acampamento do chefe guerrilheiro foi encontrada uma mensagem de email que mencionava uma transação envolvendo 50 quilos de urânio. O material empobrecido é usado especialmente para a fabricação de armas e blindagem para veículos de combate. A operação militar colombiana provocou uma crise diplomática com o Equador que deu sinais de agravamento depois da descoberta de que um dos mortos era o cidadão equatoriano Franklin Aisalia Molina. O caso levou o Equador a pedir uma intervenção, novamente, da Organização dos Estados Americanos (OEA).     Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorColômbiaVenezuelaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.