Comerciante é suspeito de mandar atear fogo em mendigo no DF

Polícia Civil também apresentou outros três dos sete suspeitos de matarem dois moradores de rua na cidade de Santa Maria

estadão.com.br,

06 Março 2012 | 20h05

BRASÍLIA - Um comerciante foi apresentado pela Polícia Civil do Distrito Federal como o mandante da ordem de atear fogo a dois moradores de rua nos arredores de Brasília. O crime ocorreu porque as vítimas atrapalhavam os negócios do empresário.

Além do comerciante, a polícia apresentou outros três dos sete suspeitos de atearem fogo em dois moradores de rua na cidade de Santa Maria, na periferia de Brasília, no último dia 26. Foram presos o comerciante Daniel de Abreu Lima, 36, Lucas Júnior Araújo e Sá, 19 anos, que teria jogado o combustível sobre os mendigos, Edmar Pereira da Cunha Júnior, 19 anos, que teria riscado o fósforo sobre as vítimas e também Gervanio Balbino de Oliveira. Foi graças a uma delação premiada que a polícia chegou até os suspeitos.

De acordo com o delegado do caso, Guilherme Nogueira, o comerciante teria oferecido R$ 100 que o grupo se livrasse dos dois moradores de rua, Paulo Cezar Maia, 42 e José Edson Miclos de Freitas, 26 anos. Segundo a polícia, Abreu Lima comprou o combustível e providenciou os fósforos.

Primeiro, eles colocaram fogo no sofá que abrigava a dupla. Como os moradores de rua apagaram o fogo, o comerciante ordenou que ateassem fogo aos dois. José Edson acabou morrendo horas depois, com 63% do corpo queimado. Paulo Cezar segue internado em estado grave no Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Todos os envolvidos irão responder por duplo homicídio, um consumado e outro tentado, qualificados pelo emprego de fogo, promessa de recompensa, motivo fútil e utilização de com meios que impossibilitaram a defesa das vítimas. Se condenados podem pegar de 12 a 30 anos de prisão.

Mais conteúdo sobre:
políciamendigosfogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.