Confiante, Marina vê debate desta noite com primeiro do 2o turno

A candidata do PV à Presidência, Marina Silva, afirmou nesta quinta-feira que considera o debate entre os presidenciáveis desta noite como o primeiro embate do segundo turno.

REUTERS

30 de setembro de 2010 | 15h08

Apesar de ainda ocupar o terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, atrás de Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), a candidata verde tem convicção de que será a escolhida pelo eleitor para disputar com a petista no final do mês.

"Esse debate é o último do primeiro turno e já é o primeiro do segundo. Estou me preparando duas vezes, como o último e o primeiro", disse Marina a jornalistas em um hotel do Rio de Janeiro onde está reunida com assessores discutindo a estratégia para o debate da Rede Globo, que tem início às 22h30.

Em nova pesquisa Datafolha, Dilma tem 52 por cento dos votos válidos (sem brancos, nulos e indecisos), Serra tem 31 por cento e Marina, 15 por cento.

Ela acredita que tem mais possibilidades do que Serra de seguir na eleição. Segundo a candidata, se Serra for ao segundo turno poderia sair derrotado como seu companheiro de sigla Geraldo Alckmin na eleição de 2006, em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva saiu vitorioso.

"Quem está preocupado que não seja repetição de 2006 vota Marina presidente. Essa é a vantagem de Marina Silva em relação à outra candidatura que não é competitiva em hipótese alguma no segundo turno", disse, tratando a si própria na terceira pessoa.

Apesar da crítica ao tucano, Marina disse que se chegar lá vai buscar a adesão de Serra. "Nós vamos discutir com quem não estiver no segundo turno de forma muito respeitosa."

Sobre temas polêmicos que podem fazer parte do debate desta noite, disse que não teria porque abordar a questão da legalização do aborto, em que tem posição contrária.

Ela vem afirmando que Dilma mudou o discurso sobre a questão para ganhar votos.

(Reportagem de Pedro Fonseca)

Tudo o que sabemos sobre:
ELEICOESMARINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.