Corte de canais pela NET

Em 6/8 entrei em contato com a NET para incluir serviços de banda larga de 3 megas, telefone e mais um ponto para TV a cabo. Mas no mesmo dia a NET eliminou, sem os devidos esclarecimentos e sem aviso prévio, 5 canais da minha programação (Master). Suspendi o serviço pedindo explicações. Mas a resposta era sempre a mesma: a empresa iria verificar e entrar em contato, porém, só me ligou com o intuito de completar o serviço da banda larga. Após entrar em contato com o Procon, Ana Paula, da Central de Atendimento da NET, ligou oferecendo os serviços. Ao questionar se era a resposta à minha queixa no Procon, ela disse desconhecer o assunto. Já para o Procon, a informação foi que tentaram um acordo sem sucesso. Nota-se aí a falta de transparência da empresa. Gostaria de obter um parecer técnico por meio desta coluna, uma vez que estou nas mãos dessa empresa que trata o cliente com extrema negligência e desprezo. Há quatro anos mais ou menos eliminaram vários canais da minha programação com a alegação de que a modalidade não existia mais. Ou seja, para continuar com a programação por mim contratada, teria de pagar mais. E ainda: em 2008 fiquei cinco meses com a programação fora do ar, pagando pontualmente, por exigência da instalação

, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

do decodificador.

MIRTES MIGUEL EL JAMA

São Paulo

Andrea Campos, da Gestão de Clientes da NET São Paulo, informa que a empresa entrou em contado com a irmã da cliente, sra. Odete, em 23/10, prestou os esclarecimentos referentes aos pacotes de programação e agendou novo contato telefônico.

Shopping popular

O estacionamento para ônibus de turismo vindos de todas as regiões do Brasil no Brás (Rua Monsenhor de Andrade, 487)

é gratuito, conforme consta no site: http://www.spmadrugada.com.br/localizacao.asp. Porém, um administrador local resolveu cobrar pelo serviço, por conta própria, sem nenhum ofício da Prefeitura, desde 1.º de outubro. A gratuidade para os ônibus visava a impulsionar as vendas dos camelôs cadastrados num projeto social, chamado shopping popular

da madrugada. A Prefeitura está ciente dessa cobrança?

ERICA WANDER POL

Juiz de Fora (MG)

A São Paulo Transporte S.A. (SPTrans) não respondeu.

Calote do governo

O governo do Estado de São Paulo tem ignorado solenemente, há anos, as decisões da Justiça sobre o pagamento de precatórios julgadas em todas as instâncias. O governo não paga e não dá satisfação ao cidadão! O pagamento dos precatórios deste Estado está com mais de uma década de atraso! As pessoas estão morrendo sem receber o que lhes é devido e o governo continua tranquilamente se esquivando como pode dessa dívida. Por quê? Com que respaldo e com que desculpa o governo pode ignorar as decisões judiciais dessa maneira? É a desmoralização da Justiça brasileira e um enorme desrespeito ao cidadão deste Estado! Os escritórios de advocacia contratados pelos credores não têm mais o que fazer. O Estado recorreu o quanto pôde e perdeu. Trata-se de calote, na linguagem popular. E de crime, na linguagem judicial. Há anos ouço rumores de que estão pagando as dívidas de 1998 a passos de tartaruga. Coincidentemente, nos últimos anos, o Estado de São Paulo está sob a tutela e o comando do PSDB. É uma política do partido, dever e não pagar? De ignorar dessa maneira as decisões judiciais? Consta que o governo federal está em dia com suas obrigações nesse sentido. Prezado governador, qual é a sua posição a esse respeito?

MARIA LUISA CARDOSO DE OLIVEIRA

São Paulo

A Procuradoria-Geral do Estado não respondeu.

Inspeção veicular

Recebi no dia 28 de setembro uma segunda correspondência sobre a devolução da tarifa paga pela inspeção veicular. Nesse documento, solicitam que eu faça um novo cadastro para que tal devolução seja feita. No entanto, ao tentar fazê-lo, recebo a informação de que isso não é permitido, porque o valor da tal devolução teria sido creditado em minha conta no dia 8 de abril. Parece que jamais terei meu dinheiro de volta e, por isso, continuo a dizer que sou mais

um ludibriado.

PAULO ROBERTO BATISTA DA SILVA

São Paulo

A Secretaria do Verde e Meio Ambiente não não respondeu.

O leitor diz: Como eu esperava, após essa última correspondência recebida, nada foi solucionado até o dia 21 de outubro, ou seja, continuam me ludibriando.

As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.