Desmate da Caatinga cai, mas segue alto

Taxa anual de destruição caiu de 0,28% para 0,23% ao ano; governo faz plano de controle

Lígia Formenti,

18 Junho 2011 | 00h33

O ritmo de derrubada da Caatinga no País apresentou uma leve queda entre 2008-2009, mas a destruição desse bioma ainda é considerada bastante expressiva pelo Ministério do Meio Ambiente.

Dados divulgados ontem pela pasta mostram que houve o desmatamento de 1.921 quilômetros quadrados de vegetação, o que representa 0,23% de todo o bioma. O primeiro período analisado pelo governo, entre 2002 e 2008, acusava uma média anual de derrubada equivalente a 0,28% da vegetação.

Ao longo dos anos, a atividade levou à destruição de 45% de toda a Caatinga, que originalmente apresentava uma área de 826.411 quilômetros quadrados.

"A situação é um pouco melhor que a apresentada no Cerrado ou na Amazônia. Mesmo assim, os números são preocupantes", admitiu a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. "É importante mantermos ações de sustentabilidade e de recuperação desse bioma, que é único no mundo e estratégico para vários Estados do País", completou a titular da pasta.

Pelos números divulgados ontem, Estados que apresentaram os maiores índices de desmatamento foram a Bahia, com derrubada de 638 quilômetros quadrados de vegetação, seguido pelo Ceará, com440 quilômetros quadrados desmatados, e pelo Piauí, onde foi destruída a vegetação em uma área de 408 quilômetros quadrados.

O coordenador do grupo bioma Caatinga da Secretaria de Biodiversidade e Floresta, João Arthur Seyffarth, contou ao Estado que, ao contrário do que ocorre em outros sistemas, a derrubada da Caatinga ocorre de forma pulverizada, o que dificulta a fiscalização e exige a adoção de um pacote de medidas preventivas mais variado.

A maior pressão contra o bioma é exercida pelo uso da madeira como matriz energética. A estimativa é de que 33% da madeira seja usada em siderúrgicas. "Daí a importância de promover o manejo e auxiliar também as comunidades no uso de fogões domésticos que exijam menos lenha", completou Seyffarth.

O ministério trabalha há quase um ano na edição de um Plano de Controle de Desmatamento da Caatinga. A expectativa é de que uma portaria seja publicada nos próximos dias, estabelecendo o prazo de 120 dias para conclusão do documento.

Entre medidas previstas estão o ordenamento fundiário, a criação de unidades de conservação e da previsão de recursos para serem investidos em programas de atividade sustentável.

Outra meta, de acordo com Seyffarth, é atualizar os dados de desmatamento. "Essa é uma atividade recente. Havia todo um histórico que precisava ser documentado. A expectativa é de que, dentro de mais algum tempo, os dados mais recentes sejam divulgados."

Código Florestal. A ministra mais uma vez afirmou estar confiante e aberta ao diálogo com integrantes do Senado para discutir um novo texto para o Código Florestal.

Até o fim do mês, ela deverá participar de uma audiência pública para discutir pontos considerados estratégicos. "Precisamos de um Código sólido, com segurança jurídica, mas que também esteja atento a questões de sustentabilidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.