Dilma diz que combate à inflação é importante e mercado a entendeu errado

A presidente Dilma Rousseff disse, na tarde desta quarta-feira, que suas declarações sobre inflação foram interpretadas de forma errada e que o combate à inflação é importante no seu governo.

Reuters

27 de março de 2013 | 16h22

"Foi uma manipulação inadmissível de minha fala. O combate à inflação é um valor em si mesmo e permanente do meu governo", afirmou a presidente, que participa da cúpula dos Brics, na África do Sul, segundo o Blog do Planalto.

Mais cedo, Dilma havia afirmado que discorda de políticas para controlar a inflação que visem crescimento econômico menor, em um momento em que o governo busca impulsionar a atividade econômica e conter a alta de preços.

"Eu não concordo com políticas de combate à inflação que olhem a questão da redução do crescimento econômico. Até porque, nós temos uma contraprova dada pela realidade", chegou a dizer.

Com isso, os mercados começaram a especular que uma alta da taxa básica de juros poderia ocorrer mais tarde do que se pensa. Por enquanto, as apostas são de que a Selic, hoje a 7,25 por cento ao ano, será elevada em maio.

Segundo o Blog, "a declaração foi feita após a presidenta tomar conhecimento de que agentes do mercado financeiro estavam interpretando erroneamente seus comentários como expressão de leniência em relação à inflação".

Dilma também solicitou ao presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, que desse esclarecimentos sobre o assunto.

(Texto de Patrícia Duarte, em São Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
MACRODILMAINFLACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.