Mastrangelo Reino/Estadão
Mastrangelo Reino/Estadão

Em depoimento, Pizzolato reclama de humilhação e tortura

Ex-diretor do Banco do Brasil foi extraditado para o Brasil em setembro do ano passado para responder pelo processo do mensalão; ele foi condenado por formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro

Luísa Martins, O Estado de S. Paulo

02 Fevereiro 2016 | 17h27

BRASÍLIA - Em depoimento de apenas cinco minutos na Justiça Federal nesta terça-feira, 2, o ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato reclamou de ser submetido a tratamento desumano e humilhante enquanto cumpre pena pelo processo do mensalão. "O acordo entre Brasil e Itália prevê que eu não seja submetido a situações vexatórias. Tenho 64 anos e vim para cá com as mãos algemadas para trás, sem qualquer apoio. Bati várias vezes com a cabeça. É um sistema que só busca torturar", disse perante o juiz.

Ele também afirmou discordar do chamado "pedido supletivo", a partir do qual poderia ser julgado também por crime eleitoral e falsidade ideológica. Em 2008, ele votou duas vezes no Rio de Janeiro utilizando os documentos do irmão morto. Em 2013, fugiu para a Itália com esses mesmos documentos.

Pizzolato, que tem cidadania italiana, foi extraditado para o Brasil em setembro do ano passado para responder pelo processo do mensalão - ele foi condenado por formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro. À luz do acordo bilateral, ele só pode ser julgado por outros crimes se a Itália autorizar.

A negativa do ex-diretor de marketing, detido no presídio da Papuda, será enviada ao Ministério da Justiça brasileiro e à Justiça italiana. A expectativa do advogado de defesa, Hermes Guerrero, é de que a discordância de Pizzolato motive aquele país a não autorizar os demais julgamentos.

Guerrero também afirmou que a escolta à Pizzolato "não se justifica". "Um preso que não é acusado de crime violento ou de pertencer a grupo armado ser humilhado desse jeito, com quatro homens portando metralhadoras e fuzis, é algo sem necessidade".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.