Em Rosário, argentinos torcem por Messi e relembram início da carreira

No clube Grandoli, onde o meia começou, garotos sonham em seguir o caminho do craque.

BBC Brasil, BBC

27 de maio de 2011 | 16h57

Os moradores da cidade argentina de Rosário, distante 300 km de Buenos Aires, estão ansiosos com a final da Copa dos Campeões da Europa, neste sábado, quando esperam que Lionel Messi, um dos filhos mais ilustres da cidade, levante mais uma taça.

Todos querem acompanhar pela televisão as jogadas do craque argentino do Barcelona, eleito duas vezes o melhor jogador do mundo pela Fifa e que era chamado de "A Pulga" quando menino.

O Barcelona enfrentará o Manchester United na decisão, que será realizada no Estádio de Wembley, em Londres.

Foi no gramado ralo e com pouca iluminação do clube Grandoli, de Rosário, que Messi, o maior astro do milionário time azul e grená do Barcelona, começou a jogar futebol.

Quando o craque era apenas um menino, muitas pessoas olhavam para os futuros jogadores e tentavam encontrar o novo Diego Maradona. Hoje, os olheiros prestam atenção em outros garotos em busca de um novo Lionel Messi.

"Sua capacidade era incrível. Praticamente as coisas que o vemos fazendo agora ele já fazia com cinco anos de idade", disse o presidente do Grandoli, David Trévez, à BBC Mundo.

Aos 11 anos, Messi começou a jogar no Newell's Old Boys de Rosário, um dos times mais tradicionais da Argentina. No entanto, um problema hormonal prejudicou o crescimento do futuro craque e quase interrompeu a sua carreira.

"Os exames que fizemos detectaram que (Messi) tinha uma insuficiência no hormônio do crescimento, e ele teve que iniciar um tratamento que era caro", disse o endocrinologista Diego Schwarzstein, que tratou o jogador.

Nenhum time argentino queria pagar os US$ 1 mil mensais da terapia. Na época, em 2001, o país vivia uma grave crise econômica.

Foi então que o Barcelona assumiu o custo do tratamento e levou o jogador e sua família à Espanha. Jogando com a camisa do time catalão, Messi explodiu como craque e surgiu para o mundo.

Hoje, uma década depois que deixou Rosário, Messi continua encantando os moradores da cidade à distância, sendo motivo de orgulho para aqueles que ficaram.

"Estamos muito orgulhosos dele por ter saído daqui", disse à BBC uma moradora do bairro Sur, em Rosário, onde morou o craque. Para vários habitantes da cidade, Messi dá identidade e "dignifica" o local de onde saiu.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.