Empresários de Tailândia-PA lucram sem destruir floresta

A fiscalização das autoridades federais e do Pará nas madeireiras de Tailândia desde o início do mês e a ocupação por 300 homens da Polícia Federal e da Força Nacional de Segurança causaram a maior crise econômica e social da história da cidade, que em maio completa 30 anos. Três mil pessoas foram demitidas e outro tanto ainda deverá ser dispensado. Mas há saídas dentro da legalidade. As alternativas são de quem já esteve ou ainda é envolvido com atividade madeireira. Começa a se forjar uma nova mentalidade empresarial entre pessoas que chegaram à cidade quando ela ainda tinha poucas casas e lá fizeram fortuna, principalmente com a atividade madeireira.Um dos casos é de Massao Ozaki, de 52 anos, do Paraná. Ele chegou a Tailândia com a roupa do corpo em 1988 e ?tocou madeireira? até 1992. ?Ganhei muito dinheiro?, conta. ?Também perdi muito, porque me meti na política e acabei me quebrando.? Desde então, ele saiu atrás de alternativas. Na cidade, iniciou a construção de um hotel. Na área rural, deu a partida a um projeto de plantio de pimenta-do-reino e, mais recentemente, de palmeira do dendê. A lavoura já está com dois anos e meio e dará a primeira safra neste ano. Mais importante: ele fechou contrato com as distribuidoras da região e vendeu as safras dos próximos 25 anos. ?O dendê é o futuro?, diz. Ele terá lucro líquido de R$ 212,5 mil.?Aqui em Tailândia não há nada mais lucrativo do que uma madeireira. A não ser uma mina de ouro ou de diamantes?, diz o empresário Edson Schmidt, sócio do pai, Nestor, na Madeireira Cimatal. ?Mas é preciso buscar a diversificação, porque a madeira começa a escassear.? Foi por isso que, há dois anos, o gaúcho Nestor, de 67 anos, avisou a família que não serraria mais e começou a procurar alternativas. Pai e filho têm três fazendas que totalizam 6 mil hectares. Eles vão pedir autorização para desmatar 20%, área de corte regulamentada pelo Código Florestal. Vão criar gado, plantar mandioca - que tem mercado garantido - e trabalhar com sucos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

AE, Agencia Estado

02 de março de 2008 | 09h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.