Empresários elogiam, mas dizem que concessões ainda são insuficientes

As concessões de rodovias e ferrovias a serem apresentadas pelo governo nesta quarta-feira terão demanda, mas empresários presentes ao anúncio do pacote consideram que as medidas ainda são insuficientes para suprir as necessidades do país com infraestrutura.

Reuters

15 de agosto de 2012 | 10h54

Eike Batista, presidente do grupo EBX, elogiou a iniciativa do Plano Nacional de Logística: Rodovias e Ferrovias, dizendo que vai atrair investimento privado, inclusive internacional. "Quando você entrega para a iniciativa privada os investimentos saem mais rápidos", disse.

Mas o presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), Paulo Godoy, embora tenha saudado o programa, avaliou que ele ainda é insuficiente.

"O Brasil precisa de 1,5 por cento do PIB em logística, hoje é de cerca de 0,74 por cento", disse Godoy, acrescentando que as concessões não serão suficientes para chegar ao patamar necessário.

Para Eike Batista, em dinheiro, seriam necessários 300 bilhões de dólares em investimentos em infraestrutura. "Nosso produtos são os melhores, mas ficam mais caros para exportar por causa da infraestrutura", afirmou o empresário do grupo EBX, acrescentando que não tem interesse nos projetos de rodovias e ferrovias.

Já o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, previu um grande interesse do setor no plano de concessão.

(Reportagem de Tiago Pariz)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCONCESSOESEMPRESARIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.