Enviado de Obama chega ao Cairo para promover esforço de paz

O novo enviado do presidente Barack Obama ao Oriente Médio chegou ao Cairo, nesta terça-feira, para dar início aos esforços da nova administração dos Estados Unidos para reativar o processo de paz entre Israel e palestinos e reforçar a trégua incerta na Faixa de Gaza. O ex-senador George Mitchell deve reunir-se com o presidente egípcio, Hosni Mubarak, na quarta-feira, no início de uma viagem de uma semana que o levará a Israel, Cisjordânia, Jordânia, Arábia Saudita, França e Grã-Bretanha. Envolvido rapidamente na diplomacia do Oriente Médio, Obama disse na terça-feira que o momento é propício para a retomada das conversações de paz israelo-palestinas e que sua administração vai adotar um enfoque mais abrangente em suas relações com o mundo muçulmano. "O envio de George Mitchell ao Oriente Médio vem cumprir minha promessa de campanha de que não vamos esperar até o fim de minha administração para tratar da paz palestina e israelense. Vamos começar já", disse Obama à televisão Al Arabiya, em entrevista. "Ele (Mitchell) vai falar com todas as principais partes envolvidas. E então se reportará de volta a mim. Dali em diante, vamos formular uma resposta específica", disse Obama. Ele acrescentou que orientou Mitchell a "começar por ouvir". Mediador que ajudou a resolver o conflito na Irlanda do Norte, Mitchell foi nomeado pela secretária de Estado, Hillary Clinton, na semana passada para liderar os esforços dos EUA para pôr fim ao conflito árabe-israelense. Críticos censuraram a administração Bush pelo que consideraram ser uma relativa ausência de engajamento com o processo de paz israelo-palestino até seu último ano, quando o ex-presidente tentou, mas não conseguiu, mediar um acordo até o final de 2008. Obama já deixou claro que o conflito no Oriente Médio será uma das primeiras prioridades de seu governo, enquanto procura reparar a imagem dos Estados Unidos prejudicada pela guerra no Iraque e a diplomacia da administração Bush, tachada de "diplomacia caubói".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.