Ex-diretor da Ferrari nega especulações de que voltará para a equipe

O ex-diretor técnico da Ferrari Ross Brawn se distanciou da especulação de que poderia voltar à escuderia de Fórmula 1 após a saída do presidente Luca Di Montezemolo no mês que vem.

REUTERS

12 Setembro 2014 | 10h59

“Não contemplo um papel na Ferrari ou em nenhum outro lugar neste momento. Não estou em contato com a Ferrari nem estou buscando ativamente um novo posto na Fórmula 1”, disse o britânico à revista alemã Auto, Motor und Sport.

Brawn, de 59 anos, teve um papel de destaque na era de domínio da Ferrari com o heptacampeão Michael Schumacher, entre 1999 e 2004, mas abandonou a Fórmula 1 após uma reestruturação na Mercedes.

Ele ganhou o campeonato de construtores em 2009 com sua própria equipe, que emergiu dos remanescentes da equipe da Honda que ele mesmo havia dirigido, enquanto Jenson Button conseguiu vencer entre os pilotos.

Logo depois ele vendeu a Brawn GP à Mercedes, seguindo como líder, e a equipe tem dominado o esporte há quatro anos, dirigindo-se para a conquista do campeonato de pilotos e fabricantes.

Montezemolo anunciou na quarta-feira que deixaria o cargo em 13 de outubro e tem havido especulação de que a Ferrari, com carência de pesos pesados como Brawn, poderia convidar seu antigo diretor.

Apesar da negativa, Brawn deixou a porta semiaberta.

“Nunca diga nunca, porque não se sabe quais oportunidades podem surgir”, afirmou. “Atualmente estou voltado para interesses fora do esporte, para os quais antes nunca tive tempo”, disse.

A Ferrari, que não ganha uma corrida desde maio do ano passado nem um campeonato desde 2008, está em crescente risco de terminar sua primeira temporada sem vitórias desde 1993.

(Por Alan Baldwin)

Mais conteúdo sobre:
F1FERRARIDIRETOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.