Expansão da Otan é 'ameaça direta' para Rússia, diz Putin

Presidente russo afirma que diferenças com membros da aliança não foram resolvidas.

Márcia Bizzotto, BBC

04 de abril de 2008 | 12h50

O presidente russo Vladimir Putin afirmou nesta sexta-feira que os planos de expansão da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) para os países do Leste Europeu representam "uma ameaça direta" a seu país."As declarações dos aliados de que esse projeto não é dirigido contra a Rússia não podem ser consideradas satisfatórias", afirmou Putin."Nossa segurança internacional não se faz com promessas", acrescentou o presidente russo, depois de se reunir com os líderes da Otan durante a cúpula que terminou nesta sexta-feira em Bucareste.Para Putin, o argumento de que a Otan deve incorporar todas as novas democracias, utilizado pelo presidente americano George W. Bush para tentar convencer os demais aliados a aceitar o ingresso de Ucrânia e Geórgia, é "uma bobagem"."A Otan não é um democratizador e não resolve os problemas de democratização de ninguém", defendeu.Escudo antimísseisPutin também comentou o projeto americano de adotar um escudo antimísseis na Europa e disse que não se "ilude" com as afirmações dos aliados de que a Rússia não é o alvo do sistema.O presidente russo também não aceitou a proposta dos aliados de expandir o escudo até o território russo, o que teoricamente incluiria o país na área de proteção do sistema."Esse projeto não contribui para a confiança em nossas relações com toda a Otan", declarou Putin.De acordo com o plano, aprovado pelos aliados na quinta-feira, uma parte do sistema será instalada na República Checa e outra na Polônia, em regiões vizinhas à Rússia.A questão voltará a ser tratada de forma bilateral entre os presidentes russo e americano durante o final de semana, na residência de Putin em Sochi.DiferençasPutin, assim como o secretário-geral da Otan, Jaap de Hopp Scheffer, descreveu o encontro desta sexta-feira como "amistoso", mas afirmou que as diferenças entre as duas partes não puderam ser dissipadas."Não é nenhum segredo que há sérios obstáculos paralisando o desenvolvimento de nossas relações", disse Putin.A crise entre as duas partes, relacionada com os planos de expansão da Otan e o tratado europeu de não-proliferação de armas de destruição em massa, intensificou-se com o reconhecimento da independência de Kosovo por muitos dos aliados e ganhou um novo elemento com o escudo antimísseis americano.Putin foi enfático ao se dirigir aos que acusam a Rússia de não querer colaborar com a comunidade internacional. "Reagimos com nossos parceiros da mesma forma como somos tratados", afirmou.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.