Fidel volta a citar Niemeyer em 'carta de renúncia'

'Como Niemeyer, é preciso ser conseqüente até o final', diz o líder cubano em artigo no 'Granma'

Da BBC Brasil, BBC

19 Fevereiro 2008 | 09h45

Na carta em que anuncia sua renúncia, publicada nesta terça-feira, 19, na versão online do jornal oficial do Partido Comunista cubano, o Granma, o líder cubano Fidel Castro voltou a mencionar o arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer.   Após 49 anos no poder, Fidel Castro renuncia Saída de Fidel é início de democracia, diz Bush Renúncia não retira caráter de mito, diz Lula Tarso diz que decisão de Fidel foi madura Minha gratidão não tem limites, diz Dirceu UE pode descongelar laços com Cuba Embargo dos EUA a Cuba continua sem Fidel Anúncio de renúncia não empolga exilados Raúl Castro torna-se guardião da revolução Leia frases que marcaram os discursos de Fidel Artigo publicado no Granma (em português) Artigo publicado no Granma (em espanhol) Cronologia cubana desde a revolução  De filho de latifundiário a inimigo dos EUA  A trajetória de Fidel Castro  Principais capas do Estadão sobre Fidel  Guterman: como a história julgará Fidel?   'Dificilmente ele deixará de influenciar'  Você acha que o regime em Cuba mudará?   Fidel Castro: herói ou vilão?  "Penso como Niemeyer que é preciso ser conseqüente até o final", diz a carta, repetindo uma frase que havia sido citada em uma outra carta lida por Fidel em uma transmissão da TV estatal cubana em dezembro. Na carta desta terça-feira, Fidel afirma que na declaração de dezembro teria dado vários indícios de que estava disposto a renunciar. A carta (de dezembro) "incluía discretamente elementos desta mensagem que hoje escrevo, e que nem o destinatário das missivas (Randy Alonso, diretor do programa Mesa Redonda da Televisão Nacional de Cuba) conhecia o meu propósito", diz o líder cubano. A citação a Niemeyer é um dos trechos selecionados por Castro da carta anterior e citados na nova missiva, divulgada nesta terça: "Meu dever elementar não é agarrar-me a cargos, e muito menos obstruir o caminho de pessoas mais jovens, e sim aportar experiências e idéias cujo modesto valor procede da época excepcional que me coube viver". "Penso como (o arquiteto brasileiro Oscar) Niemeyer, que se deve ser conseqüente até o final", acrescentou. 'Teu amigo' Na ocasião das comemorações dos 100 anos do arquiteto brasileiro, Fidel já tinha enviado uma carta a Niemeyer, felicitando-o pelo aniversário. "Muitas felicidades pelo teu aniversário. Que muitas pessoas vivam e possam desfrutar como você de mais de cem anos. Teu amigo", escreveu Castro no final da carta, escrita no dia 10 de outubro. Nesta correspondência, Fidel ainda fez comentários sobre o livro de Niemeyer, O Ser e a Vida, que será lançado neste ano. "Eu o apoio plenamente em sua árdua batalha por estimular o hábito de ler. Você diz que sem a leitura o jovem sai da escola sem conhecer a vida", escreveu Fidel  "Ler é uma armadura contra todo tipo de manipulação".     Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.