Haddad dará resposta sobre tarifa até sexta-feira

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), encerrou a entrevista coletiva nesta terça-feira, 19, sem definir possíveis alterações na tarifa de ônibus na capital paulista. Ele disse que até sexta-feira, 21, dará uma resposta definitiva ao movimento sobre o valor das passagens, reajustado em 1º de junho. Ainda não se sabe se o preço será mantido em R$ 3,20 ou voltará a R$ 3.

BEATRIZ BULLA E AE, Agência Estado

19 de junho de 2013 | 13h40

O aumento foi o estopim para uma onda de protestos iniciada na capital paulista pelo Movimento Passe Livre (MPL), que foi ampliada para todo o País. Durante a entrevista, Haddad defendeu o diálogo com os manifestantes e disse que terá uma nova reunião com o MPL na sexta.

Nesta quinta, 20, um novo protesto está marcado para a avenida Paulista, com início previsto para as 17 horas. Haddad admitiu apenas que o projeto que desonera o setor de transportes, que tramita no Senado, juntamente com o aumento de investimentos em corredores de ônibus - que ampliaria a produtividade do sistema - poderia trazer uma redução na tarifa. Só com o projeto de desoneração, o impacto seria de 7% na tarifa, segundo ele.

Para congelar a tarifa de ônibus urbano, os subsídios da Prefeitura de São Paulo ao transporte público subiriam de R$ 1,5 bilhão para R$ 2,7 bilhões em 2016, afirmou o prefeito.

Ele disse ainda que esta discussão não tem a ver com poder, mas com a cidade, e reiterou que as escolhas são difíceis para um governante. "As escolhas trazem impacto. Há demandas de creches, de hospitais", afirmou Haddad. Segundo ele, é preciso dar publicidade a este assunto. "Não houve publicidade suficiente sobre o que significaria o congelamento da tarifa", afirmou.

Concessões

Haddad disse que o município está em meio a um processo de contratação das empresas de ônibus e que este é um momento oportuno para que haja negociação sobre uma possível revisão do lucro das empresas. Ele também afirmou que o prazo de consulta pública de edital para concessão de transporte público foi adiado.

O prefeito ressaltou, porém, que o resultado das negociações não seria imediato, já que é necessário esperar o término dos contratos. "Este processo leva alguns meses, a partir de julho pode haver negociação", disse Haddad em entrevista ao programa SPTV, da Rede Globo.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosSPtarifaHaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.