HC testa controle eletrônico de remédios

Projeto-piloto funciona em Ribeirão Preto e tem como objetivo aumentar a segurança

FERNANDA BASSETTE, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2013 | 02h03

O Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto pôs em prática há mais de um mês um projeto-piloto chamado Beira de Leito, que controla, por computador, a dispensação e a administração de remédios aos pacientes internados.

A iniciativa, inédita em hospitais da rede pública de São Paulo, tem como objetivos aumentar a segurança do paciente, evitando erros na administração de medicamentos (como aplicação de doses erradas ou de medicação não prescrita), e melhorar a gestão hospitalar, reduzindo custos.

Alexandra Cruz Abramovicius, diretora da Divisão de Assistência Farmacêutica do HC/USP Ribeirão, diz que o projeto surgiu da necessidade de "casar" o sistema de prescrição eletrônica, que já era feito na unidade, com a administração direta da droga no paciente.

Na prescrição eletrônica, toda vez que um médico prescreve um medicamento, isso é digitado num sistema e informado automaticamente à farmácia central. Lá, os medicamentos são cadastrados em um código de barras e entregues para serem administrados nos pacientes.

Agora, com o Beira de Leito, a rastreabilidade do medicamento fica ainda maior, porque o sistema controla a fase da administração da droga no paciente.

Várias checagens são feitas: uma no recebimento do pedido, outra na dispensação na farmácia e outra na administração ao paciente.

Processo. Funciona da seguinte maneira: um notebook instalado em um carrinho é levado à beira do leito. Por meio de um leitor de código de barras, a enfermagem faz a leitura na pulseira do paciente dos medicamentos que serão administrados.

Além de registrar os gastos para fins de faturamento, o sistema emite alertas de inconsistências, como, por exemplo, medicamentos não prescritos para o paciente ou fora do prazo de validade.

"O Beira de Leito vai melhorar todo o processo. Até então, havia controle até o momento em que a droga saía da farmácia. Agora vamos até o momento da administração no paciente", diz Alexandra.

De acordo com ela, a vantagem é que, se houver algum problema ou efeito colateral no paciente, por exemplo, é possível saber o lote, a data de validade, a dose aplicada, quando o medicamento saiu da farmácia, quem é o fornecedor, etc. "Será possível chegar ao começo dessa cadeia. É muito mais segurança."

Reformulação. Para viabilizar a implementação do projeto, o hospital investiu cerca de R$ 200 mil na aquisição de equipamentos de informática e de fracionamento de medicamentos. Um dos equipamentos comprados pelo Hospital das Clínicas permite embalar e rotular individualmente vários itens.

O projeto-piloto está sendo avaliado em leitos do quarto e do nono andar, que incluem áreas de neurologia e cirurgia.

A expectativa é de que ele seja progressivamente implementado em todo o hospital até o final deste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.