Indústria avícola vê mais plantas liberadas pela China em breve

A União Brasileira da Avicultura (Ubabef) vê chances de aprovação para todas as plantas indicadas pelo setor como aptas a exportar à China, e a habilitação pode vir em breve, logo após o retorno da missão chinesa que está nesta semana no Brasil.

REUTERS

27 Março 2012 | 18h24

A missão chinesa chegou ao país no último domingo com a meta de visitar 17 plantas frigoríficas de aves e três de suínos, e avaliar se as unidades terão permissão para exportar ao mercado chinês aberto no primeiro semestre do ano passado durante visita da presidente Dilma Rousseff ao país.

"Os chineses escolheram fazer a vista por amostragem e a partir desta visita eles poderão habilitar todas as plantas que nós indicamos, que têm o questionário lá", disse Francisco Turra, presidente da Ubabef.

A China havia sinalizado que poderia habilitar 41 plantas brasileiras para exportar para o mercado chinês.

Já a Ubabef indicou à China 47 plantas aptas para abastecer o país e defendia que todas essas unidades fossem visitadas. Isso porque havia o temor entre representantes do setor de que apenas as plantas visitadas fossem aprovadas após a visita chinesa.

"Mas os chineses foram categóricos... dizendo que escolheram algumas para visitar por amostragem e que se essas forem bem, ao retornar habilitarão a totalidade (das plantas)", acrescentou Turra. "A expectativa é que ocorra em breve", acrescentou.

A Ubabef informou que, atualmente, o Brasil conta com 25 plantas habilitadas pelos chineses.

A missão seguirá dois roteiros de visitação: um passando por plantas abatedoras instaladas no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina, no Paraná; e outra que passará por São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás.

A China é vista pela indústria de frango como um mercado em expansão. Nos dois primeiros meses deste ano foram embarcadas 35,9 mil toneladas de carne de frango para a China. Em 2011, os chineses importaram 195 mil toneladas do produto avícolas.

COTA NA UE

Em visita à Europa nesta semana, a indústria avícola brasileira recebeu a sinalização da Comissão Europeia de que a cota de 79 mil toneladas para carne de frango processada, incluindo marinada, poderá ser implantada a partir de janeiro de 2013.

A cota livre de tarifas foi aprovada na comissão e ainda deve ser aprovada pelo Parlamento Europeu, para então ser efetivada, no início do próximo ano.

O tema vem sendo discutido pelo governo brasileiro, por meio do Ministério das Relações Exteriores (MRE), e a Comissão Europeia há cerca de três anos, quando o bloco europeu impôs tarifas sobre as importações de três produtos, incluindo processados e cozidos.

Na ocasião, os europeus notificaram o Brasil sobre a cota de entrada livre de tarifa. A cota foi definida cerca de seis meses atrás após as negociações entre o governo brasileiro e UE.

A cota de 79 mil toneladas é ligeiramente acima da média exportada pelo Brasil, de pouco mais de 70 mil toneladas.

"A cota nunca é suficiente, porque limita o possível crescimento das vendas", disse Ricardo Santin, diretor de mercados da Ubabef.

(Por Fabíola Gomes)

Mais conteúdo sobre:
COMMODSFRANGOCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.