Marcha das Vadias reúne cerca de 1,5 mil em Brasília

Na defesa do fim da violência contra a mulher, cerca de 1,5 mil pessoas participaram da Marcha das Vadias, que aconteceu neste sábado em Brasília. Com gritos "eu quero tchu, eu quero tcha, eu quero liberdade já" e "vem pra rua, vem, contra o machismo", o grupo circulou pela área central da capital. Grande parte dos cartazes criticava o projeto da "Cura Gay" e o deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), além de defender a legalização do aborto.

LAÍS ALEGRETTI, Agência Estado

22 de junho de 2013 | 20h01

Entre as manifestantes, várias contavam que foram marchar pela primeira vez. É o caso da Karola Marques, de 19 anos, que estava vestida com sutiã e minissaia. "Ninguém pode me julgar pela roupa que eu uso. Tem de me conhecer para saber quem sou eu", disse. Ela defende a legalização do aborto. "Estuprador não é pai", defendeu a jovem, que ficou sabendo do evento pelas redes sociais.

A atriz Tatiana Bittar, de 33 anos, também foi "vadia" pela primeira vez. Segurando um cartas com a mensagem "Estado, não se meta no meu útero", ela mostrava indignação com o fato de o pastor Marco Feliciano presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. "A igreja não pode estar no governo, somos um país laico", colocou.

Uma das organizadoras do evento, Julia Zamboni, avalia que a população brasileira "está com muita vontade de ir para as ruas". Questionada sobre o pronunciamento da presidente Dilma Rousseff, Julia avaliou que ela cumpriu o papel dela e disse que considerou o pronunciamento bom. "Mas não serviu para calar a nossa voz", concluiu.

Se a ocorrência de muitas manifestações pelo País estimula mais pessoas a irem às ruas, também confunde quem não está dentro do protesto. A vendedora Zenilda Lopes, de 26 anos, assistiu a marcha passar na rodoviária. Ela disse apoiar o protesto, mas não sabia que era pelas causas feministas. "Eu apoio. Se eu não tivesse trabalhando, estaria aí junto. Se não abrir a boca, vai continuar a corrupção."

Gritaria

Apesar de não ter ocorrido violência física durante a marcha, uma repórter do jornal Correio Braziliense foi hostilizada por manifestantes. Ao se aproximar de um homem que havia sido expulso da marcha, para entrevistá-lo e ouvir o motivo, ela ouviu gritos de "mídia fascista".

A organização da Marcha das Vadias explicou à reportagem que a marcha é espontânea e que, em muitos momentos, as pessoas têm atitudes que não estavam programadas.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosBrasíliaMarcha das Vadias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.