Marroquino é condenado a 20 anos de prisão por ataque em Madri

Um marroquino foi condenado na quinta-feira a 20 anos de prisão por sua ligação com os atentados que mataram 191 pessoas em 2004 nos trens de Madri, disse a agência estatal de notícias do Marrocos, a MAP. Abdelilah Hriz, 29 anos, foi condenado por formação de quadrilha e por vários crimes relacionados ao terrorismo, inclusive o de ajudar na destruição do patrimônio público com o uso de explosivos e de angariar verbas para ataques, segundo a sentença proferida pela corte de recurso penal de Salé, nos arredores da capital Rabat, e citada pela MAP. A promotoria pedia prisão perpétua de Hriz, que negou qualquer envolvimento com os atentados da Espanha. Originário da cidade de Kenitra (norte do Marrocos), Hriz foi preso na Síria e transferido para seu país, onde já havia sido condenado a três anos de prisão -- pena comutada em maio de 2007 por falta de provas. Em fevereiro, Hriz voltou a ser preso, depois que investigadores espanhóis encontraram novas provas contar ele. Um juiz espanhol viajou ao Marrocos e recolheu amostras de DNA de Hriz, compatíveis com amostras recolhidas em dois lugares vinculados aos atentados, disse a MAP, citando laudos da polícia espanhola. Dez bombas, colocadas em mochilas e acionadas por celular, explodiram em vários pontos de Madri na manhã de 11 de março de 2004. (Reportagem de Tom Pfeiffer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.