Médico da Libéria tratado de Ebola com droga experimental ZMapp morre

Um dos três médicos africanos infectados com o Ebola e tratados com a droga experimental ZMapp morreu na Monróvia, informou o ministro da Informação liberiano, Lewis Brown, nesta segunda-feira.

REUTERS

25 Agosto 2014 | 11h26

A Libéria, país do oeste da África onde o Ebola está se espalhando mais rápido, recebeu três doses do raro medicamento em 13 de agosto. A princípio a Libéria declarou que os três médicos, os liberianos Zukunis Ireland e Abraham Borbor e o nigeriano Aroh Cosmos, estavam reagindo bem à medicação, despertando otimismo em relação à terapia experimental.

Quando lhe pediram a confirmação da morte do doutor Borbor, Brown disse: "Está correto. Ele faleceu ontem (domingo)”.

Dois assistentes de saúde norte-americanos que contraíram o Ebola na Libéria foram declardos livres do vírus na semana passada depois de receberam o mesmo tratamento, mas um padre espanhol que recebeu o Zmapp morreu.

Sediado nos Estados Unidos, o fabricante da droga, Mapp Biopharmaceutical, declarou que os poucos suprimentos já se esgotaram e que levará tempo para se produzir mais.

A febre hemorrágica já matou pelo menos 1.427 pessoas no pior surto da doença até hoje. Na semana encerrada em 22 de agosto, 297 casos suspeitos, prováveis ou confirmados do Ebola foram relatados na Libéria, o maior número de casos semanais desde o início da epidemia, em março, segundo um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef, na sigla em inglês).

O Ebola pode matar até 90 por cento das pessoas infectadas, mas no atual surto epidêmico a taxa de mortes é de cerca de 60 por cento.

(Por Emma Farge)

Mais conteúdo sobre:
LIBERIA MEDICO EBOLA ZMAPP*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.