Ministro do STF atende CPI e Cachoeira depõe na terça-feira

Pressionado pelo Congresso, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), acatou nesta segunda-feira o pedido da CPI e reviu sua decisão que impedia o depoimento de Carlinhos Cachoeira à comissão. Com isso, o empresário, acusado de contravenção, deve depor na terça-feira.

REUTERS

21 Maio 2012 | 21h35

O depoimento de Cachoeira é considerado chave pelo relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG), já que ele é o principal alvo da investigação parlamentar.

Cachoeira deveria ter prestado depoimento no dia 15, mas conseguiu uma liminar, expedida por Mello, para não cumprir a convocação, argumentando que não teve acesso ao inquérito que o acusa de chefiar uma quadrilha que explorava jogos ilegais e que resultou na sua prisão desde fevereiro.

Nesta segunda-feira, Mello voltou atrás da decisão da semana passada ao analisar novo pedido da defesa de Cachoeira para adiar uma nova convocação feita pela CPI Mista.

O ministro levou em conta na sua decisão que a defesa do empresário teve acesso aos autos e mesmo assim consultou-os apenas em uma oportunidade. Além de negar a nova suspensão do depoimento, Mello também descartou o pedido da defesa para que a sessão da CPI marcada para terça-feira fosse adiada.

Porém, mesmo sendo obrigado a comparecer à CPI, a tendência é de que o empresário não responda aos questionamentos dos parlamentares, segundo seu advogado, o ex-ministro da Justiça do governo Lula, Márcio Thomaz Bastos.

A ida de Cachoeira à CPI pode impulsionar o trabalho da comissão que, após quase um mês em funcionamento, só colheu depoimentos de dois delegados da Polícia Federal encarregados das operações Vegas e Monte Carlo.

Foi o conteúdo dessas investigações policiais que deflagrou a criação da CPI, mas os parlamentares ainda não conseguiram aprofundar essas apurações.

Cachoeira é tido como chefe de uma quadrilha criminosa que explorava jogos ilegais e, segundo a PF e o Ministério Público, também figurava como sócio oculto da empreiteira Delta.

A construtora também é alvo da CPI, porque há suspeita de que Cachoeira usava a empresa para lavar dinheiro. Na semana passada, a comissão aprovou requerimentos pedindo a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico das filiais da Delta no Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins.

(Reportagem de Jeferson Ribeiro)

Mais conteúdo sobre:
POLITICACACHOEIRASTF*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.