Mocidade Alegre exalta SP mas não empolga no Anhembi

Escola ressaltou a enorme diversidade cultura, gastronômica e sexual abrangida pela capital paulista

ROBERTO LIRA, Agencia Estado

03 de fevereiro de 2008 | 06h16

Em busca do bicampeonato do carnaval paulistano, a Mocidade Alegre cumpriu a promessa de fazer uma declaração de amor à cidade, mas a empolgação dos seus componentes não chegou a contagiar as arquibancadas. A escola da zona norte da capital paulista mostrou da gastronomia à noite paulistana e fez homenagens a artistas e à diversidade sexual de São Paulo.O carro abre-alas da escola já dava o recado da imagem de grandeza da cidade que a Mocidade Alegre quis passar, com uma enorme locomotiva que trazia alusões a marcos paulistanos como o Monumento aos Bandeirantes e a Torre do Banespa. A alegria dos componentes da escola se mostrava a cada nova ala, que destacava tribos paulistanas como a dos metaleiros, do hip-hop e até a de motoboys. Também foi feita homenagem à gastronomia paulistana, com pratos típicos de vários países, e também aos espetáculos artísticos que acontecem na cidade, como o musical "Fantasma da Ópera", uma das fantasias mais bonitas da noite. O último carro alegórico falava de diversidade sexual e pedia o fim dos preconceitos, assim como o samba-enredo da escola ("Bem-vindo a São Paulo. Sabe por quê? Porque São Paulo é Tudo de Bom!"), trazendo um clima de Parada de Orgulho Gay para o Sambódromo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.