Motorista é linchado e morto depois de atropelar família na Baixada Fluminense

Antes que a Polícia Militar chegasse ao local do atropelamento, pessoas que viram o acidente atacaram o motorista a pauladas

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

04 Setembro 2016 | 13h40

Atualizado às 20h30.

RIO - Duas crianças morreram depois de serem atropeladas na tarde de sábado, 3, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Elas estavam acompanhadas da mãe e da irmã, que também foram feridas no acidente. O motorista do veículo, Ronaldo Silva Santos, de 36 anos, foi linchado e morto a tiros por testemunhas.

Santos atropelou a família quando passava pela Avenida Barão do Rio Branco, na localidade de Vila Uruçaí, por volta das 17h30. Pouco depois, o carro foi cercado por testemunhas, que passaram a atacar o motorista a pauladas. Em seguida, ele levou três tiros e morreu no local. O carro que dirigia foi incendiado.

A bebê Ana Beatriz Martins Oliveira, de 4 meses, e a irmã, de 2 anos, que não teve o nome divulgado, morreram no local. Os corpos das crianças ficaram no asfalto até a 1h deste domingo, 4. “É muita descaso das autoridades. Disseram que só tinha um legista para toda a Baixada Fluminense”, escreveu uma amiga da família em seu perfil no Facebook.

A mãe das crianças, Juliene Martins Ferreira, de 26 anos, não teve ferimentos graves. A filha mais velha, Ana Júlia Martins Oliveira, de 7 anos, foi internada no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias. O estado de saúde dela é estável, informou a Secretaria de Estado de Saúde. Nas redes sociais, parentes comentavam que a menina estava em coma induzido. O enterro das crianças ocorreu às 16h30, no Cemitério Memorial do Rio. Um ônibus chegou a ser fretado por vizinhos. “Perdemos duas princesas brutalmente”, escreveu.

O caso é investigado pela Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense. Em nota, a Polícia Civil informou que “perícia minuciosa foi realizada no local e diligências estão em andamento para identificar os autores do crime”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.