Na TV, PSDB defende legado de FHC e ataca corrupção no governo

Principal partido de oposição ao governo Dilma Rousseff, o PSDB usou seu programa em rede nacional de TV nesta quinta-feira para defender o legado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e atacar a gestão petista, especialmente as denúncias de corrupção.

REUTERS

13 de outubro de 2011 | 19h29

"A inflação era o pior mal pros trabalhadores. Corroía o salário de cada um. Recebe o salário, vai fazer a compra, vale menos seu dinheiro", afirma Fernando Henrique, que é apresentado no programa tucano como principal responsável pelo fim da hiperinflação e pela estabilidade econômica.

"Quem é que se defendia? Quem tinha dinheiro no banco, os mais ricos", acrescentou o ex-presidente em versão do programa divulgada pelo partido na Internet.

O ex-presidente lista ainda a Lei de Responsabilidade Fiscal e programas sociais criados em seu governo, como o Bolsa-Escola, e afirma que temeu pela continuidade desses programas com a posse de seu sucessor, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Na época, nós tínhamos certas dúvidas sobre se as mudanças ficariam se mudasse o governo. Porque o PT se opôs a tudo. Mas mudou o governo e eles entenderam que era melhor seguir aquele caminho. E foi bom, foi bom para o Brasil."

Após a defesa da herança de Fernando Henrique, os tucanos passam às críticas aos governos petistas sem, no entanto, deixar de lado o mote de que a legenda, a todo tempo identificada com a social-democracia, governa também para os mais pobres.

José Serra, candidato derrotado à Presidência pelo partido no ano passado, por exemplo, afirma que o progresso social obtido no governo de Fernando Henrique "está ameaçado pela corrupção, pela falta de investimento e pela incompetência".

O presidente do partido, Sérgio Guerra, diz que a sigla tem "orgulho de ter feito as principais reformas do Brasil" e parte para o ataque ao governo petista.

"Nos últimos governos, o Brasil perdeu preciosas oportunidades de avançar ainda mais", afirma. "A inflação, infelizmente, está de volta."

Apontado como principal postulante à candidatura tucana à Presidência em 2014, o senador Aécio Neves (MG) aparece para elogiar os feitos dos oito governos estaduais do PSDB sem, no entanto, mencionar os nomes dos colegas que comandam esses Estados. Eles aparecem somente em imagens gravadas e seus nomes nos letreiros do programa.

"Talvez às vezes você se pergunte por que o PSDB insiste tanto em falar de gestão pública... Gestão eficiente é a arma que o governo tem para lutar contra dois inimigos poderosos que vivem invadindo a sua vida: o desperdício de dinheiro público e a corrupção", defende o senador, para depois afirmar que essa é a marca das gestões tucanas nesses Estados.

Mais conteúdo sobre:
POLITICAPSDBPROGRAMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.