Nigéria espera que meninas sequestradas sejam libertadas até terça

O governo da Nigéria espera que cerca de 200 meninas sequestradas há seis meses pelo grupo islâmico Boko Haram sejam libertadas até terça-feira, disse à Reuters neste sábado uma fonte de alto nível da presidência, sem comentários adicionais sobre onde ocorrerá a entrega.

REUTERS

18 de outubro de 2014 | 09h21

"Posso confirmar que o governo federal está trabalhando muito para cumprir sua parte do acordo para que a libertação das reféns possa ocorrer na segunda ou terça-feira da próxima semana", disse a fonte à Reuters, por telefone.

Na sexta-feira o governo chegou a um acordo com o Boko Haram para a libertação das meninas que foram sequestradas em uma escola na cidade do nordeste da Chibok, perto da fronteira com Camarões.

As meninas foram levadas a cativeiro desde então, mas a polícia e um dos pais disse no mês passado que uma delas havia sido liberada.

O presidente Goodluck Jonathan tem sido criticado em seu país e no exterior pela lenta resposta ao sequestro e por sua incapacidade em acabar com violência islâmica, considerada a maior ameaça à segurança do país.

Boko Haram, cujo nome pode ser traduzido como "a educação ocidental é pecaminosa", já matou milhares de pessoas em cinco anos de insurgência na sua busca por um califado islâmico no empobrecido nordeste da Nigéria.

(Reportagem de Feliz Onuah)

Mais conteúdo sobre:
NIGRIASEQUESTRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.