O cara é pop e o papo é cabeça Felipe Bronze

Quem vai ao Oro pode escolher três tamanhos de menu-degustação: 5, 7 e 9 pratos. A ideia original era que os clientes pedissem várias porções à la carte, mas não deu certo, conta o chef. "Eles pediam uma ou duas pequenas porções, saiam com fome e reclamando." O jeito foi fixar a degustação.

O Estado de S.Paulo

05 Junho 2014 | 02h08

A cozinha do Oro é moderna, criativa e ousada - logo na chegada o cliente recebe um minissorvete de ostra cremoso com uma saúva no topo. Mais maduro e apoiado em equipamentos da vanguarda, thermomix, thermocirculador, nitrogênio líquido, Bronze faz uma versão de pururuca com a pele desidratada do porco; mistura açaí, foie gras e beijupirá; serve cavaquinha na manteiga de garrafa com purê de pistache e farinha de coco; black cod com missô e rapadura. Não é comida para leigos. É para quem gosta de ousar.

Menu-degustação de 5 pratos (R$ 180), 7 pratos (R$ 230) e 9 pratos (R$ 295).

Onde. R. Frei Leandro, 20, Jd. Botânico, RJ, (21) 2226-4586

Ele tem 36 anos, trabalha como chef de cozinha desde os 24 e ganhou diversos

prêmios no Rio. Passou pelo Sushi Leblon, pelo Zuka,

pelos hotéis Marina e abriu o Oro, com sócios, em outubro de 2010. Tem um quadro

no Fantástico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.