Para Kassab, 'instalações poéticas' burlam Cidade Limpa

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), criticou hoje as instalações poéticas que a Natura dispôs em alguns pontos da capital paulista. A empresa instalou no domingo letreiros luminosos na Praça da Sé, no centro, nas proximidades da estação Sumaré do Metrô e no Museu Brasileiro de Escultura (MuBe), na zona oeste, com as palavras "Descanse", "Relaxe" e "Calma". Cada letra possui 3 metros de altura e 70 quilos. Embora nas esculturas não haja menção à fabricante de cosméticos, as mesmas palavras são repetidas nos comerciais feitos para a televisão.

ANNE WARTH, Agencia Estado

14 Julho 2009 | 19h40

Visivelmente irritado, Kassab, que participou da abertura da 41ª Feira Internacional de Calçados, Acessórios de Moda, Máquinas e Componentes (Francal), no Anhembi, acusou a Natura de cometer estelionato ao tentar burlar a Lei Cidade Limpa, que limitou a publicidade nas ruas de São Paulo. "A minha impressão é que se trata de um estelionato de uma empresa que me parece séria, a Natura, e que burlou a Lei Cidade Limpa. Caso isso se confirme, eu acho muito lamentável", afirmou o prefeito.

Os letreiros foram retirados à tarde pelas Subprefeituras de Pinheiros e da Sé. A instalação do MuBe foi retirada pelo grupo artístico Bijari, autor das instalações, que fazem parte do projeto "Poesia Concreta", patrocinado pela Natura. A Subprefeitura de Pinheiros aplicou multa de R$ 11 mil ao grupo artístico, que fez o pedido para utilizar o local. A Subprefeitura da Sé informou que vai multar o grupo em R$ 10 mil.

Kassab disse já ter pedido à Corregedoria do município a instauração de uma sindicância para apurar se houve omissão ou indução ao erro por parte da Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU), órgão da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb). A instalação havia sido autorizada pela CPPU em março, mas a Prefeitura alega que foi dada para uma exposição de poesia concreta sem finalidade comercial e se diz surpreendida com o ocorrido.

"Vamos adotar as providências que forem convenientes porque as pessoas precisam entender que existe lei, existe ordem e é realmente muito lamentável que uma empresa que parece séria tenha se prestado a algo de um nível tão baixo", criticou. Kassab não disse que tipo de punição seria dada à Natura, mas não descartou a aplicação de multa. "O que estiver ao nosso alcance será feito, caso se confirme essa burla, esse estelionato, essa ação vergonhosa de uma empresa que comete esse crime contra a cidade de São Paulo."

A Natura não comentou as críticas. Alegou que os letreiros fazem parte do projeto "Poesia Concreta", do grupo artístico Bijari, o qual patrocina, e que a ação foi mal interpretada pela Prefeitura. "Sempre nos pautamos pela ética na comunicação e respeito ao espaço público e a seus limites. Em 40 anos de história, nunca usamos outdoors por acreditarmos ser uma interferência e um ruído desnecessários. Decidimos apoiar a iniciativa de um grupo que já fez outras intervenções e é reconhecido internacionalmente", disse o diretor de Assuntos Corporativos e Relações Governamentais da Natura, Rodolfo Guttilla.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.