Predadores preferem caçar presas com cérebro pequeno

Predadores, como leopardos e chimpanzés, concentram-se consistentemente em presas de cérebro pequeno, menos capazes de escapar, como mostra uma pesquisa realizada na Universidade de Liverpool. Eles evitam presas mais inteligentes, como macacos, que possuem cérebros excepcionalmente grandes e são mais capazes de escapar dos ataques. O estudo, feito por Susanne Shultz, da Escola de Ciências Biológicas, se concentrou em predadores da África e da América do Sul, como a onça pintada, chimpanzés, leopardos e suçuaranas. Shultz descobriu que presas com cérebros menores, como um pequeno antílope, mangustos e javalis-africanos eram mais suscetíveis aos ataques de predadores comparados a presas com cérebros maiores. A pesquisa mostrou uma forte correlação entre o tamanho do cérebro da presa e o gosto dos predadores por ela. Os animais com cérebros menores não possuem flexibilidade de comportamento e são provavelmente menos capazes de desenvolver novas estratégias para escapar dos predadores, comparado às espécies de maior cérebro."A habilidade de alguns animais de evitar virar comida dos predadores pode ser um fator que contribui para a evolução de cérebros grandes em algumas espécies, somando-se às teorias convencionais que argumentam que isto é importante para o desenvolvimento de relações sociais e o uso de ferramentas".

Agencia Estado,

02 de agosto de 2006 | 17h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.