Projeto para comunidades na Amazônia ganha prêmio

Um trabalho voltado para comunidades carentes da Amazônia Legal, criado em 1987 - o Saúde e Alegria - e que atende pessoas que vivem em situações de extrema exclusão social e de acesso restrito aos serviços públicos, especialmente nos campos da saúde, saneamento, educação, energia, transporte e comunicação, foi o vencedor do Visionaris 2013, prêmio de US$ 25 mil oferecido pelo UBS à melhor ideia de empreendedorismo social no Brasil.

Agência Estado

25 Outubro 2013 | 17h01

"A ideia é oferecer condições dignas de vida aos povos da floresta, com soluções geridas pelos próprios moradores e que tragam benefícios socioambientais", disse Eugenio Scannavino Netto, o idealizador e coordenador do projeto Saúde e Alegria, que recebeu o prêmio das mãos da CEO do UBS no Brasil, Sylvia Coutinho, nesta quinta-feira, 24, na Casa do Saber, em São Paulo.

O projeto conta com uma equipe de médicos, agrônomos e educadores das diversas áreas, que visita regularmente as comunidades, desenvolvendo programa integrados para as áreas de carência.

São atendidas 72 comunidades, com 15 mil habitantes no total. A média anual de procedimentos chega a 20 mil. Já foram realizados 11 mil atendimentos odontológicos, 7 mil exames, 250 cirurgias, 22 projetos de pesquisa, além de 200 atividades educativas e preventivas envolvendo 10 mil crianças e adolescentes. Os resultados alcançaram 93% de aproveitamento. Ou seja, a cada 100 pacientes apenas 7 precisaram ser encaminhados aos centros urbanos.

O projeto também auxilia as comunidades nos problemas de devastação e esgotamento das reservas. "Apesar da fragilidade, são comunidades que tentam defender suas terras e recursos naturais, contando com pouco apoio externo. Para reverter este quadro, o projeto busca alternativas que substituam os atuais processos de exploração predatória da região por modelos sustentáveis e harmônicos de desenvolvimento e inclusão econômica e social", afirma Scannavino Netto.

Para Kai Grunauer-Brachetti, diretor do UBS Philanthropy & Values-Based Investing, o Visionaris fornece quatro tipos de capital: o simbólico, que é o reconhecimento e a legitimidade; o capital social, que dá acesso aos pares e visibilidade; o intelectual, que funciona como uma assessoria; e por fim o financeiro, que é o recurso efetivamente. "O Visionaris existe para apoiar e atuar como mediador entre as ideias de profissionais que buscam o empreendimento social e o capital para expandir estas ideias" - Sylvia Coutinho, CEO do UBS Brasil.

Mais conteúdo sobre:
Visionaris 2013 Amazônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.