Reprodução/Facebook Lula
Reprodução/Facebook Lula

PT começa a devolver doações que foram destinadas à campanha de Lula

Site que hospedava a vaquinha online para Lula já está fora do ar, mas até o dia 4 de setembro o valor arrecadado era de cerca de R$ 700 mil

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2018 | 10h35

BRASÍLIA – O PT está devolvendo as doações de quem colaborou com a vaquinha online para a campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os doadores, segundo o partido, têm a opção de receber o dinheiro doado de volta, menos as taxas administrativas, ou transferir o montante para campanha de Fernando Haddad, derrotado nas urnas no segundo turno.

O site que hospedava o financiamento para Lula já está fora do ar, mas até o dia 4 de setembro o valor arrecadado era de cerca de R$ 700 mil, e o número de apoiadores passava de 7 mil. De acordo com a lei, as “vaquinhas virtuais” realizadas em nome de um candidato específico, só podem ser usadas por ele próprio. Como Lula teve sua candidatura barrada, o partido tem de devolver o dinheiro arrecadado em seu nome.

Já a arrecadação virtual feita em nome de Fernando Haddad pode ser usada normalmente pelo partido para cobrir os gastos de campanha. Ao candidato foram doados de forma online mais de R$ 1,5 milhão, por cerca de 9 mil doadores.

O PT pediu no início do mês, em seu perfil oficial no Twitter, ajuda da militância para quitar as contas da campanha presidencial de Haddad. De acordo com a publicação, as doações podem ser feitas até o dia 15 de novembro. De acordo com dados de prestação de contas da campanha petista atualizados até ontem no site da Corte Eleitoral, a campanha petista declarou despesas de R$37.139.413, frente a um total de R$32.783.181 de recursos recebidos, o que configura um déficit de mais de R$ 4,356 milhões.

Pelo calendário eleitoral, as receitas e despesas da campanha deveriam ser declaradas pelos candidatos e seus respectivos partidos à Justiça Eleitoral até ontem para o primeiro turno e 17 de novembro para segundo turno. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.