Quadrilha de clonagem de cartões é presa em SP

Nove pessoas suspeitas de pertencerem a uma quadrilha de estelionatários acusada de clonagem de cartões bancários de crédito e débito foram presas, na tarde de segunda-feira, 23, por agentes do Setor de Investigações Gerais (SIG) de Barueri, subordinado à Delegacia Seccional de Carapicuíba, na Grande São Paulo.

AE, Agência Estado

24 de julho de 2012 | 07h20

O flagrante ocorreu na casa nº 195 da Rua Severino Vilar Filho, no Parque São Domingos, região de Pirituba, zona oeste da capital paulista. Cinco dos detidos já têm passagens por estelionato, furto e receptação.

O grupo, segundo a polícia, agia em vários bairros da capital e vinha sendo investigado desde o final de abril. Ao chegarem no endereço, os policiais procuraram se manter a distância, mas, depois de uma hora e meia, vendo que ninguém entrava ou saía da casa, resolveram entrar. No local foram detidas seis pessoas. As outras três chegaram depois e também acabaram presas. Todas do sexo masculino.

O grupo, segundo o delegado Alexandre Miguel Palermo, furtava os dados dos cartões e as senhas deles por meio do chamado "chupa-cabra", dispositivo instalado nas máquinas de venda a crédito e débito. Os policiais acreditam que funcionários dos estabelecimentos comerciais permitiam que a quadrilha instalasse os dispositivos nas máquinas e, em troca, recebessem uma recompensa em dinheiro dos bandidos, que descarregam os dados em computadores. Com os cartões clonados, a quadrilha realizava compras no comércio e saques em agências bancárias.

Com o grupo, os policiais apreenderam RGs falsificados, cópias de documentos sigilosos de bancos com assinaturas de clientes, cerca de 50 cartões de crédito e débito, dois televisores e cinco carros: um Nissan, dois Honda Civic, um Polo e um Audi A-3.

Tudo o que sabemos sobre:
clonagem de cartõesprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.