Sabesp descartar possibilidade de racionamento

Apesar dos sucessivos recordes negativos de capacidade do nível dos reservatórios do Sistema Cantareira, a Sabesp voltou a descartar a possibilidade de adotar um racionamento de água da Grande São Paulo. "Não trabalhamos com a possibilidade de racionamento. Quem fala em racionamento preventivo não sabe o que é racionar água para mais de 10 milhões de consumidores", afirmou o diretor de Finanças e Relações com Investidores da concessionária, Rui Affonso.

GABRIELA VIEIRA, Agência Estado

31 Março 2014 | 13h09

Segundo ele, mesmo considerando o pior cenário de escassez, que prevê o esgotamento do volume útil do Cantareira ao final junho, não há risco de corte no abastecimento, porque as obras para exploração do volume morto estarão prontas até lá. "O volume morto será suficiente para abastecer a Grande São Paulo até outubro, quando tem início o período chuvoso", garantiu Affonso.

A Sabesp investiu R$ 80 milhões na compra de bombas e na construção da infraestrutura necessária para utilizar a reserva adicional de cerca de 400 milhões de metros cúbicos. Desse total, inicialmente 200 milhões de m³ estarão disponíveis para captação pela concessionária.

Mais conteúdo sobre:
Sabespabastecimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.